Obra que Portinari pintou e não viu, por ser comunista, está em exposição

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 9 de março de 2012 as 11:38, por: cdb

(1’25” / 332 Kb) – Está aberta para visitação, até 21 de abril, a exposição “Guerra e Paz”, que reúne dois painéis do pintor brasileiro Candido Portinari. As obras estão expostas no Memorial da América Latina, na cidade de São Paulo, de terça a domingo, das 9h às 18h, com entrada gratuita.

Os murais estão acompanhados por uma centena de estudos originais preparatórios, além de documentos históricos, entre cartas e fotos, que contam toda a trajetória de criação das obras. Elas foram encomendadas pelo governo brasileiro para presentear a sede da ONU, em Nova York, há 54 anos.

Portinari era comunista filiado ao PCB, pelo qual concorreu a deputado constituinte, em 1945, e a senador, em 1947. Guerra e Paz foram os últimos grandes painéis pintados por ele e demoraram quatro anos para serem concluídos. As obras têm 14m x 10m de dimensão.

Os quadros foram instalados em Nova York, em 1957, no hall de entrada da Assembleia Geral da ONU. Por ser comunista, Portinari não obteve autorização do governo estadunidense para ir à inauguração da sua obra. Devido a razões de segurança, o grande público não tem acesso ao local, restrito a políticos e diplomatas.

O Memorial da América Latina está localizado na Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664, ao lado da estação Barra Funda do Metrô.

De São Paulo, da Radioagência NP, Jorge Américo.

09/03/12