Obama recusa-se a intervir para impedir execução de Troy Davis

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de setembro de 2011 as 10:49, por: cdb

Troy Davis foi executado às 23h08 local de quarta-feira (04h08 em Lisboa esta quinta-feira) após ter passado 20 anos no corredor da morte. Antes de lhe ser administrada a injecção letal que levaria à sua morte, Davis voltou a declarar-se inocente. Obama recusou-se a intervir para impedir a sua execução.Artigo |22 Setembro, 2011 – 17:25Foto de amnestyinternational_usa, Flickr.

Não obstante existirem sérias dúvidas sobre a culpa de Davis na morte do policial Mark MacPhail, e das inúmeras campanhas promovidas a nível internacional e pressões no sentido da reavaliação deste caso, nomeadamente por parte da Amnistia Internacional, Troy Davis acabou por ser executado na penitenciária de Jackson mediante injecção letal.

Segundo um jornalista presente no momento da sua execução, Davis terá reiterado que “a briga na qual o polícia morreu” não foi da sua responsabilidade, já que ele não era portador de qualquer arma.

Na realidade, nunca foi encontrada qualquer arma do crime e sete das nove testemunhas voltaram atrás nas suas declarações iniciais.

A União Europeia, que chegou a intervir por diversas vezes no sentido da comutação da pena capital, já veio, através da porta-voz da chefe da diplomacia europeia, “lamentar profundamente” a execução de Davis.

O presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, recusou-se a intervir para impedir a execução de Troy Davis, alegando que este caso baberia ao Estado da Geórgia e não ao poder federal.