“O que importa é que os brasileiros tenham acesso às riquezas”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 18 de abril de 2012 as 08:40, por: cdb

Ainda que o país ostente a posição de sexta economia do mundo, se os brasileiros que habitam o país não tiverem acesso às suas riquezas, essa posição não se sustentará. Em suma, esta foi a mensagem dada ontem pela presidenta Dilma Rousseff ao empossar a antropóloga Maria Emília Pacheco, a primeira mulher no comando do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, e retomar pontos centrais de seu programa de governo.

A declaração foi feita no mesmo dia em que o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou suas estimativas de que o Brasil deve voltar a ser superada pelo do Reino Unido este ano. Com isso, ficaríamos com a posição de sétima maior economia global.

Dilma reiterou: “O Brasil só chegará a ser a sexta potência do mundo se a sua população for também, em matéria de acesso a riqueza e aos bens, a sexta população mais rica do planeta”.

“Todos devem participar do desenvolvimento”

De acordo com a chefe de governo, há coisas mais importantes do que os critérios e indicadores que colocam o país nesta o naquela posição no ranking das potências econômicas. “Nosso país jamais será realmente rico se não pudermos todos participar e desfrutar das benesses do nosso desenvolvimento”, afirmou ela, lembrando a importância de indicadores sociais.

Dilma elogiou a colocação do combate à fome e à desigualdade social na agenda internacional pelo governo Lula. “Essa prioridade transformou-se em ações concretas, em uma política pública”, afirmou. Como resultado, frisou a presidenta, o Brasil assistiu ao avanço social dos brasileiros para a classe média, o que tem aquecido a economia nacional.