O quadro eleitoral se altera no Recife, em Fortaleza…

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 4 de setembro de 2012 as 09:20, por: cdb

Novas rodadas de pesquisas que saem semanalmente mostram alteração no quadro eleitoral no Recife, onde o governador Eduardo Campos – também presidente nacional do PSB – mostra sua força alavancando seu candidato a prefeito num fenômeno semelhante ao que se registra também na disputa eleitoral em Fortaleza, onde confirmam sua liderança o governador Cid Gomes (PSB) e a prefeita Luizianne Lins (PT).

No Recife estamos no 2º turno. Vamos enfrentar o candidato do governador e temos condições de vencer. Fizemos três boas gestões na cidade e ainda temos 30 dias de campanha pela frente. Em Fortaleza, também, vamos disputar de igual para igual.

Vejam como nesta fase de afirmação das candidaturas o quadro oscila. Na capital cearense, o candidato a prefeito pelo DEM, ex-deputado Moroni Torgan viu sua liderança de 35% de intenção de voto no início da corrida despencar para 25% agora, de acordo com o último IBOPE.

Murcha uma das poucas esperanças de vitória do DEM no NE

Uma das poucas esperanças de vitória do DEM no Nordeste, Torgan está ameaçado pelo avanço dos candidatos do governador Cid Gomes, Roberto Cláudio, que ganhou 11 pontos saindo de 5% para 16%; e pelo da prefeita Luizianne Lins, Elmano de Freitas, que saltou 12 pontos, saindo de 3% para 15%.

Como vemos, não são disputa fáceis. Os dois governadores, Cid, do Ceará, e Eduardo Campos, de Pernambuco, foram reeleitos com o nosso apoio, do PT e do presidente Lula. Agora, romperam a aliança PT-PSB e optaram por caminhos próprios e isolados.

Mas não há razões para esmorecer ou fazer avaliações precipitadas porque o adversário do PSB subiu nas pesquisas no Recife e/ou se consolida em posição de ida para o 2º turno em Fortaleza, ambos para disputar com os nossos candidatos.

Vejam, há um processo de avanço do nosso candidat, Fernando Haddad (PT-PCdoB-PSB-PV)  também em São Paulo, e ainda a perspectiva segura de nossas vitórias na maioria das médias  grandes cidades do país. Agora é trabalhar para nossos candidatos conquistarem uma boa performance no 1º turno, levá-los ao 2º e aí confirmar as boas perspectivas que temos de vitória.