‘O Dia’ sempre manteve a aproximação com o leitor, destaca Sarney em homenagem ao jornal 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 29 de agosto de 2011 as 12:16, por: cdb

Mesmo passando por diversas mudanças editoriais e trocas de controle desde seu nascimento, em 1951, o jornal fluminense O Dia sempre manteve uma marca: a aproximação com o leitor, o que lhe garantiu grande apreço popular que até hoje desfruta. O registro foi feito pelo presidente do Senado, José Sarney, na sessão de homenagem realizada nesta segunda-feira (29), em Plenário, para assinalar o 60º aniversário de fundação do diário.

– Considerando a importância da data comemorativa, a relevância do jornal e sua imensa popularidade, o Senado não poderia abster-se de prestar esta homenagem a esse diário inovador e essencialmente carioca – destacou Sarney.

Época de Ouro

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), primeiro propositor do requerimento para a sessão especial, lembrou que O Dia surgiu na época de ouro do jornalismo impresso no Brasil, momento em que o país “ensaiava a consolidação do regime democrático após a ditadura do Estado Novo. Assinalou que, nesse ambiente de experimentação, o jornal se tornou desde então parte da história do país.

– Nada mais verdadeiro para o periódico carioca, que acompanhou todos os grandes fatos da história nacional, repercutidos e noticiados em suas páginas – salientou.

Marcelo Crivella observou ainda que o jornal mudou em tempos recentes sua linha editorial, se definindo como um jornal centrado nas notícias do “dia a dia”, sem se afastar de nível de excelência nem perder sua vinculação com os meios populares. Ao fim, ele desejou que o jornal, que tanto se identifica com o “viver no Rio de Janeiro”, continue sua missão com o mesmo sucesso.

Honestidade de Propósito

A senadora Ana Amélia (PP-RS), que também representava na homenagem o líder de seu partido, Francisco Dornelles (RJ), salientou, assim como os oradores que lhe antecederam, que as mudanças de linha editorial em nada afetaram as características essenciais reconhecidas no diário. Destacou a “independência, o respeito ao gosto popular, a honestidade de propósito e o compromisso com o desenvolvimento do país, a começar pelo Rio de Janeiro.

– São elas, afinal, que forjam e mantêm a credibilidade de um jornal – disse.

Outro orador, o senador Geovani Borges (PMDB-AP), disse que O Dia pode ser visto como uma das “várias e belas manifestações culturais” que forma o rico patrimônio do Rio de Janeiro.

Pelo grupo que edita O Dia, a Empresa Jornalística Econômico S.A (Ejesa), falou a presidente do conselho de administração, Maria Alexandra Mascarenhas Vasconcellos. Ela destacou o bom momento em que vive o Rio de Janeiro, depois de “décadas de brigas políticas e perda de representatividade”. Observou que poucos lugares no mundo possuem uma agenda tão positiva para o momento e para a década seguinte como o estado, que será sede da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016.

– Todas essas transformações têm uma impressionante simetria com as mudanças que vêm sendo implementadas em O Dia. O jornal está cada vez mais ágil, dinâmico, presente em todas as plataformas de mídia e, sobretudo, na vida de milhões de habitantes e leitores do Rio de Janeiro – afirmou.

O evento contou ainda com a participação de Nuno Vasconcellos, do grupo português Ongoing, marido de Maria Alexandra Mascarenhas Vasconcellos, que nos últimos anos vem investindo fortemente no mercado brasileiro da informação. Também participaram a diretora de Relações Institucionais da Ejesa, Evanise Santos, e Alexandre Freeland, que acumula o cargo de diretor-executivo da empresa e também o de chefe de redação de O Dia.

Trajetória

Fundado em 1951 pelo ex-governador paulista Adhemar de Barros, o jornal O Dia logo foi comprado por Chagas Freitas, então deputado federal e que depois foi governador da antiga Guanabara e também do Rio de Janeiro. Em 1983, Chagas Freitas vendeu a publicação ao empresário gaúcho Ary Carvalho, que faleceu no comando do diário.

O grupo português que já havia lançado no Brasil o diário Brasil Econômico comprou o jornal O Dia há pouco mais de um ano da família Carvalho. Além desse diário, integra o grupo jornalístico o jornal Meia Hora, um portal de notícias online, a TV O Dia e a Rádio O Dia.

Da Redação / Agência Senado