O aperto orçamentário deve continuar em 2004

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de novembro de 2003 as 10:18, por: cdb

Integrantes de peso do PT receberam no final de semana uma má notícia do governo: o aperto fiscal vai continuar no ano que vem.

A novidade foi dada em reuniões separadas com governadores, prefeitos e ministros do partido pelo próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula aproveitou para pedir o empenho de todos na aprovação das reformas ainda neste ano e para que os candidatos do partido a prefeito, nas eleições do próximo ano, defendam o governo.

– (O governo) é perfeitamente defensável- disse Lula na reunião de sexta-feira à noite, com governadores e prefeitos, segundo o relato de presentes.

Foram duas reuniões, ambas na Granja do Torto. A idéia partiu do presidente do PT, José Genoino, e foi prontamente encampada por Lula. O objetivo: “distensionar” as relações internas de um partido no qual governadores, prefeitos e ministros estão insatisfeitos com a falta de liberação de recursos.

No encontro de sábado, que se estendeu por todo o dia e reuniu todos os ministros do PT, o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, disse, segundo relato de Genoino, que “o aperto orçamentário é inevitável” também em 2004 para manter o equilíbrio fiscal, a credibilidade e a confiança externas no país. Mas previu um ano melhor em função do desempenho da economia, que dá sinais de retomada do crescimento industrial e do emprego, também de acordo com Genoino.

Palocci e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disseram que os indicadores mostram uma retomada da atividade econômica: a taxa de juros real é a menor dos últimos oito anos e o risco-país está abaixo de 600 pontos, o que é considerado um índice relativamente baixo.

Uma projeção mais otimista, segundo o ministro, dependeria da aprovação das Reformas da Previdência e tributária, em tramitação no Senado. Lula, quando falou, disse que o “rumo está certo, tivemos grandes vitórias” e pediu que o governo mantivesse “esse pique”, ainda segundo Genoino.

O presidente também considerou fundamental a aprovação das duas reformas ainda neste ano e pediu o empenho dos ministros no trabalho de convencimento dos congressistas aliados. Para o presidente do PT, o governo dispõe de uma “maioria apertada” no Senado para aprovar a reforma da Previdência, que começa a ser votada nesta terça-feira.