Número de mortes no Carnaval do RJ e SP equivale ao registrado em seis meses em Nova York

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de março de 2003 as 08:30, por: cdb

Os balanços da violência durante o carnaval, divulgados pelos governos dos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo, mostram que os homicídios dolosos aumentaram 16,88% no Rio em relação ao ano anterior e caíram 2% em São Paulo. Isso somado ao reforço de cerca de três mil homens do Exército no Rio pode dar a impressão que o carnaval foi muito mais violento no Estado da governadora Rosinha Garotinho do que no de Geraldo Alckmin.

A análise comparativa dos homicídios por número de habitantes revela, no entanto, que o número de assassinatos no Rio de Janeiro foi tão alto quanto o registrado em São Paulo. Entre sábado e terça-feira, 90 pessoas foram mortas no Rio de Janeiro, contra 77 em 2001. No Estado de São Paulo foram registrados 195 homicídios, entre 19h de sexta-feira e 7h de terça-feira, contra 199 no ano passado.

Ainda que o número de assassinatos registrados em São Paulo tenha sido 216% superior aos ocorridos no Rio de Janeiro, a taxa de homicídios por 100 mil habitantes foi 19% superior no Rio. Isso porque a população do Estado de São Paulo (37.032.403) é 257% superior ao do Estado do Rio (14.391.282).

Os 90 homicídios registrados no Rio correspondem a um índice de 0,62 morte por 100 mil habitantes. Em São Paulo, o índice ficou em 0,52 morte por 100 mil habitantes durante o carnaval.

Só para se ter uma idéia do quanto isso representa, as mortes registradas nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo durante o carnaval é equivalente ao total de homicídios acumulados ao longo de seis meses na cidade de Nova York. Segundo o Departamento de Polícia de Nova York, foram registrados 584 homicídios em 2002 – o que corresponde a um índice de 7,87 mortes por 100 mil habitantes.

Nas capitais do Rio de Janeiro e São Paulo, os índices de homicídios permanecem entre os mais altos do mundo. Em 2002, eles foram superiores a 40 mortes por 100 mil habitantes.

Em São Paulo, foram registrados 4.631 homicídios no ano passado, o que corresponde a um índice de 43,74 mortes por 100 mil habitantes. Na cidade do Rio de Janeiro, foram 2.465 homicídios em 2002, o que corresponde a um índice de 41,1 mortes por 100 mil habitantes.

Na análise dos índices dos Estados, no entanto, São Paulo leva vantagem. Em todo o Estado, foram registrados 11.847 assassinatos em 2002 – o que corresponde a um índice de 30,99 mortes por 100 mil habitantes. No Estado do Rio, foram registrados 6.885 homicídios, o que corresponde a um índice de 46,49 mortes por 100 mil habitantes.

Os índices de homicídio no Estado de São Paulo e na capital, no entanto, vêm caindo nos últimos quatro anos. Em 1999, a taxa de mortes por 100 mil habitantes chegou a 52,57% na capital e 35,33% no Estado.

No Rio de Janeiro, os índices têm permanecido estáveis nos últimos anos. Em 1999, a taxa de mortes por 100 mil habitantes chegou a 38,2% na capital e 42,1% no Estado. Em 2000, o índice subiu para 46,9% na capital e 43,9% no Estado. Em 2001, as taxas caíram levemente: 41,2% na capital e 42,2% no Estado.

Os governos de São Paulo e Rio reconhecem, no entanto, que o homicídio é um delito diferenciado, cujo controle não depende somente da atuação do aparato policial.