Número de alunos que se matriculam em outros Estados cresce com novo sistema

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 18 de março de 2010 as 11:34, por: cdb

Representantes das 51 instituições federais de ensino superior que participaram do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) se reuniram, nesta quarta-feira, com o Ministério da Educação (MEC) para avaliar o processo. Um dos resultados positivos do sistema, segundo o MEC, foi um aumento na mobilidade acadêmica.

O percentual de alunos que estudavam fora do estado de origem, que antes era de 1%, subiu para 25% com o novo sistema que disponibiliza vagas em diferentes cursos e instituições. Em algumas universidades e institutos federais, o percentual de alunos de outros Estados matriculados ficou perto de 50%.

– Isso é um grande avanço. A gente rompe uma tradição brasileira de baixíssimos índices de mobilidade. Os alunos estão conhecendo outras universidades, se deslocando pelo país. E essas universidades também ganham recebendo alunos de outros lugares –, afirmou a secretária de Ensino Superior do MEC, Maria Paula Dallari Bucci.

Segundo Maria Paula, todas as 51 instituições federais confirmaram a intenção de continuar participando do Sisu na sua próxima edição, com data ainda indefinida. Nas próximas semanas serão realizadas novas reuniões para ampliar a participação e avaliar as etapas do Sisu.

– O processo teve alguns percalços e vai ser constantemente aprimorado porque ele realiza algumas aspirações históricas em relação ao acesso à educação superior no Brasil –, defendeu Maria Paula.

Para a reitora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Malvina Tuttman, a grande “novidade” do sistema foi a mobilidade.

– O sistema único permite uma democratização maior porque o aluno pode escolher qual universidade quer cursar em qualquer local do país. Muitas universidades tiveram uma procura muito maior do que em processos seletivos anteriores –, disse.

Para atender os alunos que vêm de fora, Maria Paula destacou que nos últimos ano o MEC quase dobrou a verba de assistência estudantil que é repassada às universidades. Em 2010, o orçamento foi de R$ 300 milhões.