Novo protesto contra os EUA em Bagdá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de abril de 2003 as 17:54, por: cdb

Bagdá assistiu a mais um protesto contra os americanos nesta segunda-feira. Desta vez, a manifestação foi organizada por representantes da comunidade xiita do Iraque.

Cerca de 2 mil manifestantes marcharam pelo centro de Bagdá até o hotel Palestine – onde estão hospedados os jornalistas estrangeiros -, pedindo a libertação de vários líderes religiosos que teriam sido presos por tropas americanas.

De acordo com Richard Galpin, repórter da BBC em Bagdá, o protesto foi especialmente agressivo, e os manifestantes empurraram barricadas de arame farpado, que ficam na frente de soldados armados com metralhadoras.

Galpin afirmou, no entanto, que os organizadores do protesto conseguiram manter a situação sob controle.

Mulás

Um clérigo xiita disse à BBC que os manifestantes estavam pedindo a libertação de três mulás que teriam sido presos pelas forças americanas na noite de domingo.

Os mulás estavam viajando de volta a Bagdá depois de uma visita à cidade sagrada de Karbala, para onde estão viajando centenas de milhares de xiitas que vão participar das comemorações da morte do imã Hussein, neto do profeta Maomé.

As peregrinações religiosas a Karbala eram proibidas no governo de Saddam Hussein.

Mais de um milhão de pessoas são esperadas para a cerimônia que marca a morte do imã, em uma batalha no século VII.

Os peregrinos estão caminhando de pés descalços até a cidade, formando filas de cem quilômetros.

A cerimônia do Arba’een Al-Husseini marca o fim do período de luto pelo imã Hussein e tem seu ponto culminante na terça-feira.

A morte do imã Hussein provocou o cisma entre xiitas e sunitas islâmicos.

Insegurança

Alguns clérigos xiitas indicaram que não vão participar da procissão por causa da falta de segurança e por medo de ataques.

Existe também um movimento entre os clérigos que estão pedindo aos peregrinos que rejeitem a presença dos americanos no Iraque.

Há também demandas de religiosos xiitas pela criação de um Estado religioso islâmico no Iraque.

Um mulá alertou os americanos que a situação no país pode explodir se eles não forem mais cuidadosos.

O protesto desta segunda-feira, em Bagdá, coincidiu com a chegada de Jay Garner, o general americano que vai comandar o governo interino no Iraque.