Novo primeiro-ministro turco apresenta integrantes do ministério

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 15 de março de 2003 as 10:37, por: cdb

O novo primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, apresentou seu ministério ao presidente do país, Ahmet Necdet Sezer.

A aprovação dos ministros por parte do presidente abre caminho para a votação do programa do novo governo no parlamento.

O ex-primeiro-ministro, Abdullah Gul, foi nomeado ministro das Relações Exteriores e assessor do premiê Erdogan.

O novo primeiro-ministro havia declarado que não apresentaria os integrantes do governo nesta sexta-feira. Não há detalhes sobre as razões que levaram Erdogan a mudar de idéia.

Pressão americana

No entanto, correspondentes da BBC informaram que os Estados Unidos estavam aguardando a formação do novo governo, na esperança de que o novo gabinete apóie os planos de guerra americanos.

O parlamento deve votar, pela segunda vez, uma moção que permitiria às tropas americanas utilizar o espaço turco. Essa permissão facilitaria uma invasão do Iraque pelo norte.

A votação no parlamento só ocorrerá quando os novos ministros tomarem posse.

Fora da agenda

Uma primeira moção para a utilização do espaço turco pelos americanos foi rejeitada no parlamento no dia primeiro de março. A decisão frustrou os planos americanos.

A convocação para uma sessão extraordinária do parlamento no fim de semana parecia ter aumentado as esperanças americanas para a votação de uma nova moção.

Porém, o tema não está na agenda para o fim de semana. O parlamento deve se concentrar na aprovação dos integrantes do novo governo.

A Turquia negociou uma compensação financeira para que as tropas americanas pudessem utilizar o espaço do país em caso de guerra. No entanto, a opinião pública turca é contra a concessão aos Estados Unidos.

Estratégia

Correspondentes da BBC informaram que o primeiro-ministro Erdogan pode não fazer muita pressão para tentar aprovar a moção, para não ser visto como alguém que desconsidera a opinião pública e a vontade do parlamento.

Se aprovada, a moção também permitiria às tropas turcas entrar no Iraque pelo norte, em caso de guerra. O objetivo seria assumir o controle das áreas dominadas pelos curdos e auxiliar possíveis refugiados.

A utilização do espaço turco é considerada fundamental pelos estrategistas militares americanos. Em caso de guerra, os Estados Unidos acreditam que uma invasão ao Iraque pelo norte, a partir da Turquia, seria decisiva para que o confronto fosse rápido e com menos baixas.

No entanto, a resistência de parte da comunidade internacional a uma segunda resolução no Conselho de Segurança das Nações Unidas permitindo o uso da força no Iraque pode influenciar a posição turca.

O presidente Ahmet Sezer já declarou há algumas semanas que não apóia uma ação militar contra o Iraque sem uma segunda resolução da ONU.