Novo diretor do Inca assume com desafio de resolver a crise

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 12 de setembro de 2003 as 16:15, por: cdb

O novo diretor-geral do Instituto Nacional do Câncer (Inca), José Gomes Temporão, ex-secretário de Saúde do Rio, tomou posse na sexta-feira com o desafio de resolver a crise que provocou o saída de diversos diretores e com a missão de normalizar a distribuição de medicamentos e o atendimento dos pacientes.

– Se há problemas, eles são pontuais e devem ser resolvidos em no máximo duas semanas – disse Temporão.

No mês passado o Inca viveu o auge de uma crise financeira e administrativa que provocou um desabastecimento de medicamentos e afetou o tratamento de doentes de câncer.

Cerca de 100 médicos pediram demissão coletiva em protesto contra a administração do então diretor-geral Jamil Hadad e da diretora administrativa Zélia Abdul Maich. Pressionados, os dois também deixaram o cargo.

Para contornar a crise, o ministro da Saúde, Humberto Costa, nomeou uma comissão que ficou no comando interino do Inca. O hospital passou a receber remédios e equipamentos de hospitais federais. Apesar das reclamações, o ministro afirmou que o fornecimento de medicamentos já foi normalizado.

– O hospital está abastecido e todas as medidas administrativas necessárias para a aquisição de medicamentos por um período mais longo já foram tomadas. O risco de haver desabastecimento é mínimo hoje – disse o ministro.

O novo diretor nomeou Álvaro Spínola como diretor administrativo do Inca. Spínola exercia essa função no Instituto do Coração (Incor), em São Paulo.

Mas Temporão reconheceu que a situação ainda não voltou ao normal.

No dia de sua posse, dezenas de pacientes, entre eles crianças e idosos, lotavam a recepção do Inca. Estavam à procura de medicamentos e tentavam agendar consultas médicas e tratamentos.

Eli Quadros, por exemplo, vem tentando há algumas semanas conseguir um medicamento que diz ser fundamental para sua mãe na farmácia do Inca. “Eu cheguei na farmácia e me disseram que não tinha o medicamento da minha mãe. Não é a primeira vez que isso acontece nos últimos tempos”, disse. A mãe tem câncer na garganta.