Nova York se despede de 2003 sem incidentes

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de janeiro de 2004 as 09:23, por: cdb

Cerca de 750 mil pessoas se despediram de 2003 na praça central nova-iorquina de Times Square, em uma cerimônia que aconteceu sem incidentes nem álcool, sob medidas de segurança extremas pelo medo de um atentado terrorista. A cerimônia, como vem ocorrendo há 96 anos, consistiu na descida de uma enorme bola de cristal, cheia de luzes e de espelhos, nos últimos 60 segundos do ano.

O prefeito da cidade, Michael Bloomberg, junto à soldado de origem panamenha Shoshana Johnson, heroína da guerra do Iraque, foram os encarregados de acionar o mecanismo que fez descer a pesada bola, de 485 quilos. Para presenciar este curto evento, a multidão que se juntou na praça teve que esperar várias horas e suportar as duras medidas de segurança estabelecidas para a ocasião.

Vindos de todos os pontos do planeta, os turistas tiveram que chegar à praça através de vários controles policiais, onde havia detectores de metais e de materiais radioativos. Mais de 2 mil agentes da polícia local, da polícia montada, do operacional antiterrorista Atlas e da unidade Hércules, que utilizam armas pesadas, ocuparam a praça como medida de segurança diante de possíveis atentados.

Desde a primeira hora da tarde, vários helicópteros sobrevoaram a ilha de Manhattan, que nesta noite era considerada um possível objetivo terrorista, junto às cidades de Washington, Chicago e Las Vegas. Apesar das fortes medidas de segurança, a noite transcorreu na luminosa praça de Times Square em um ambiente festivo, amenizado pelas atuações musicais organizadas pelas cadeias de televisão que retransmitiram a cerimônia.

Mais de duas toneladas de confete e milhares de balões cobriram o céu de Times Square à meia-noite. A boa temperatura durante todo o dia e a grande afluência de turistas na cidade facilitou a presença ao mesmo tempo de mais de 750 mil pessoas, segundo os organizadores, o que significa uma das cifras mais altas alcançadas até o momento.

Diferente de outras partes do mundo, os que decidiram festejar a noite de Ano-novo na famosa praça nova-iorquina não puderam brindar com champanhe pelo novo ano, já que o álcool estava terminantemente proibido na cerimônia.