Nova York homenageia mortos em atentados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de dezembro de 2001 as 18:34, por: cdb

Exatamente no mesmo horário em que a primeira aeronave se chocou contra uma das torres do World Trade Center há três meses, cerca de 150 trabalhadores, entre eles, bombeiros, policiais e equipes de resgate participaram da cerimônia no Ponto Zero e prestaram respeito às vítimas dos ataques suicidas em Nova York e em Washington, ao mesmo tempo que o hino nacional era cantado na Casa Branca e em todo o país.

Em Washington, o presidente George W. Bush comandou uma pequena cerimônia onde disse que as pessoas que viveram este momento vão ser eternamente marcadas pelo “click do relógio no 46º minuto, da 8ª hora, do dia 11”. O presidente norte-americano disse ainda que “a raiva e a determinação americana vão consertar este grande erro”.

Mais de 80 países que tiveram cidadãos vítimas dos ataques ocorridos em Nova York e em Washington atenderam ao pedido do presidente americano e realizaram cerimônias em memória aos cerca de 3.900 mortos nos ataques, sendo que em toda a cidade de Nova York, cristãos, muçulmanos e judeus participaram de orações.

“Eles derrubaram as estruturas mas não vão conseguir derrubar o nosso espírito”, afirmou o rabino Joseph Potasnik.

Em Tóquio, o primeiro-ministro do Japão, Junichiro Koizumi, divulgou um comunicado público pedindo apoio à luta contra o terrorismo internacional e à reconstrução do Afeganistão, enquanto na Austrália, diplomatas reunidos na residência do embaixador americano plantaram uma muda de carvalho em homenagem às vítimas.

Na embaixada dos EUA em Bangcoc, na Tailândia, os funcionários fizeram um minuto de silêncio. Cerimônias semelhantes ocorreram na Indonésia e nas Filipinas. Os três meses dos atentados de 11 de setembro foram lembrados também por astronautas russos e americanos. Eles cantaram os hinos russo e americano à bordo da Estação Espacial Internacional.