Nova onda de protestos contra os EUA deixa três mortos no Paquistão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 9 de outubro de 2001 as 14:48, por: cdb

Três pessoas morreram, entre elas um menino de 12 anos, em uma nova onda de manifestações no Paquistão contra a ofensiva militar americana no Afeganistão.

Os protestos começaram com os manifestantes ateando fogo a um posto policial perto da cidade de Quetta e também deixaram centenas de feridos.

Ainda nesta terça-feira a polícia paquistanesa prendeu o líder islâmico sunita Azam Tariq, partidário do regime do Talebã, milícia que controla 90% do Afeganistão.

Tariq é o terceiro líder islâmico pró-Talebã a ser preso desde o início dos ataques ao Afeganistão. Fazlur Rahman e Samiul Haq, ambos líderes de facções partidárias paquistanesas pró-Talebã, foram detidos nos últimos dois dias. Os três estão em prisão domiciliar.

Pró-Talebã

Tariq, que é líder do grupo sunita Sipah-e-Sahabah, foi preso no aeroporto de Lahore e levado para prisão domiciliar na província de Punjab. Ele é acusado de incitar a violência em comunidades xiitas.

Rehman e Haq lideravam facções do Jamiat-e-Ulema Islam (JUI), partido que pertence ao Conselho de Defesa do Paquistão.

O Conselho reúne 35 partidos paquistaneses pró-Talebã que se opõem aos ataques militares americanos ao Afeganistão.

Haq estaria organizando um encontro para coordenar novos protestos.

O JUI tem tido um importante papel na organização de protestos contra a ofensiva militar americana, no Paquistão.

Protestos continuam intensos
A companhia aérea estatal do Paquistão suspendeu, por tempo indeterminado, todos os vôos para Quetta e outros aeroportos afetados pela violência. Algumas empresas estrangeiras também cancelaram suas operações no país.

O presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, tentou transmitir calma à população ao dizer que a ofensiva militar contra o Afeganistão seria curta e causaria poucas mortes de civis.