Nova etapa de estudos da CPRM traz recomendações técnicas para obras em áreas de risco de Rio Branco

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de março de 2012 as 13:40, por: cdb

Qua, 14 de Março de 2012 14:16A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) concluiu nesta quarta-feira, 14, nova etapa dos estudos sobre as áreas de risco em Rio Branco. Os geólogos Renê Luzardo e Gilmar Honorato, especialistas em áreas de risco geológico da CPRM, e técnicos da Prefeitura de Rio Branco estiveram na capital acreana durante cinco dias para preparar as recomendações técnicas para ocupação e construção nessas áreas, especialmente aquelas afetadas diretamente pela cheia do rio Acre.

“O principal problema de Rio Branco são as argilas expansivas, as quais geram problemas geotécnicos gerando afundamento do solo e das edificações”, disse Luzardo. Essas recomendações subsidiam o Plano Diretor de Rio Branco. Além da questão do solo, a CPRM diz que os lençóis freáticos da capital acreana são baixos, o que pode contribuir para os deslizamentos. A partir das recomendações da CPRM, os engenheiros podem encomendar laudos que balizarão os projetos de construção nessas áreas.
Rio Branco está localizado na chamada Bacia Periandina, que acumula areia e barro proveniente da Cordilheira dos Andes. Trata-se de uma bacia jovem, que produz o ´solo mole´ presente na região. “Esse solo não tem pontos de fixação ou de apoio”, completou Honorato. Essa situação é responsável pelo fenômeno conhecido em inglês como “creeping” ou rastejamento do solo.
Os estudos da CPRM e as recomendações técnicas elaboradas por seus geólogos são analisadas por uma banca em Manaus (AM) e disponibilizadas ao Centro de Monitoramento de Alertas e Desastres Naturais (Cemaden), em São Paulo.