Noites de carnaval ficarão animadas no Terreirão do Samba

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 as 10:08, por: cdb

Sambistas de renome e muito samba no pé garantem o sucesso das noites de Momo no Terreirão do Samba, na Praça Onze, a partir da sexta-feira. A série de espetáculos vai até o dia 9 de fevereiro. O carnaval de rua da cidade também terá programação especial. A prefeitura programou 64 bailes populares em diversos bairros, além de cinco tradicionais bailes na Cinelândia.

A folia no Terreirão do Samba começará às 19 horas, com apresentações de Monarco, Mauro Diniz, Dorina, Sorriso Maroto e Rio Samba Show, entre outros. Haverá dezenas de barracas de comidas e bebidas, banheiros químicos e serviço médico, com entrada a R$ 5. Nos bailes populares, a folia acontece em Irajá, Tijuca, Vila Isabel, Anchieta, Méier, Lins, Honório Gurgel, Campo Grande, Bangu, Pavuna, Sepetiba, Abolição, Ilha do Governador, Recreio e Caju.

Já na Cinelândia, os bailes nos quatro dias de carnaval serão animados por grandes nomes do carnaval, entre eles Marlene, Roberto Silva, Ademilde Fonseca e João Roberto Kelly. Esta semana serão anunciadas as atrações do Rio Folia, na Lapa.

Neste domingo, a brincadeira ficou por conta do bloco Imprensa que eu Gamo, em Laranjeiras. Com mais de 5 mil foliões pelas ruas do bairro, o trânsito foi interrompido nas principais ruas de acesso ao Mercadinho São José, ponto de concentração dos foliões. O que mais chamou a atenção, no bloco fundado por jornalistas cariocas, foi a letra do samba, que mistura política e uma crítica ao filme Tropa de Elite:

(Me acode!)
Me acode São Sebastião
Que este bofe anda muito truculento
Hoje eu faço processão
É Zé Pereira no lugar do Nascimento

Esse negócio de apertar o “zero um”
Virou um vício, deu manchete de jornal
Mas hoje a minha tropa é de bebum
E o Imprensa anuncia o carnaval

Minha cidade ainda é Maravilhosa
Tá cheio de avião
Relaxa e goza

(Meu capitão)
Meu capitão é um “vaiado”
E o Chavinho não quer mais ficar calado
Ô, seu Renan, pára de papo
171 a gente manda para o saco

Sacudiram minha Mangueira
E o leitinho já saiu adulterado
Mas na playboy apareceu uma leiteira
E me diseram que ela veio do senado

Impena que eu Gamo
a caveira é uma flor
Aspira meu cangote, amor