Nizan Guanaes, Oskar Metsavaht e Vik Muniz são os novos embaixadores da boa vontade da Unesco

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 23 de maio de 2011 as 11:55, por: cdb

Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) anunciou hoje (23) que o Brasil terá três embaixadores da boa vontade, que se encarregarão de divulgar as ações da entidade das Nações Unidas (ONU) pelo mundo. Os brasileiros escolhidos são o publicitário Nizan Guanaes, o estilista Oskar Metsavaht e o artista plástico Vik Muniz.

Guanaes, Metsavaht e Vik terão mandato de dois anos como embaixadores da Unesco. A cerimônia de nomeação ocorrerá na próxima sexta-feira (27). Os novos embaixadores integram uma lista que inclui o símbolo da luta contra a política de segregação racial da África do Sul (apartheid) Nelson Mandela, a bailarina e coreógrafa cubana Alicia Alonso e a princesa Caroline de Mônaco.

Guanaes, de 52 anos, é presidente do Grupo ABC de Comunicação, que reúne 18 empresas de publicidade, marketing e entretenimento. É também o presidente da Associação dos Empreendedores e Empresários Amigos da Unesco, organização não governamental (ONG) que ele fundou há sete anos, com Metsavaht.

Metsavaht, de 50 anos, é estilista da grife Osklen. Segundo a Unesco, a marca promove a filosofia de viver em harmonia com o meio ambiente. Ele é fundador do Instituto-E, uma organização sem fins lucrativos, cuja sede é no Rio de Janeiro, que tem o objetivo de estimular o desenvolvimento sustentável por meio de ações de proteção ambiental e inclusão social.

Vik, de 49 anos, vive em Nova York há cerca de três décadas. O artista usa as novas mídias e a fotografia para dialogar com as obras que faz em chocolate, açúcar, diamantes, poeira e lixo reciclado. Os trabalhos dele estão expostos em vários museus e galerias pelo mundo.

Edição: Vinicius Doria

CidadaniaGrupo ABCInstituto-EInternacionalOsklenUnescoboa vontadeembaixadoresonu» Leia também:

Unesco condena assassinato de jornalista brasileiro e pede apoio à liberdade de expressão no Brasil

Crime no Rio é repudiado pela Unesco e tem destaque na imprensa internacional