Negociações sobre Alcântara são retomadas entre Brasil e EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 10 de setembro de 2003 as 00:44, por: cdb

O Brasil retomou as negociações com os Estados Unidos para o uso comercial da Base de Lançamento de Alcântara pelos norte-americanos.
 
O anúncio foi feito pelo ministro da Defesa, José Viegas Filho, durante depoimento na Câmara dos Deputados junto com o ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral, sobre o acidente com o Veículo Lançador de Satélites, no dia 22 de agosto.

Viegas afirmou que os novos acordos com os norte- americanos estão sendo feitos com bases que não atinjam a soberania do País.

– Vamos tomar como base a parte do acordo que não foi contestada pelo Congresso. As negociações de salvaguarda para o uso comercial de Alcântara será em condição de respeito à autonomia do País – disse Viegas.

As negociações estão sendo conduzidas em conjunto pelos ministérios da Defesa, Ciência e Tecnologia e Relações Exteriores, que estão analisando com autoridades norte-americanas o documento feito durante o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, quando a Câmara dos Deputados vetou a concretização dos entendimentos.
 
Uma das cláusulas do acordo o País cederia a base de Alcântara, mas não poderia fazer uso da tecnologia norte- americana.

Os dois ministros, além do comandante da Aeronáutica, brigadeiro Luiz Carlos da Silva Bueno, descartaram que o VLS, que explodiu em Alcântara matando 21 pessoas, estivesse com problemas elétricos.
 
– Não houve nenhum relato que nos levasse a esta informação – afirmou Viegas, ressaltando que nenhuma norma de conduta foi desrespeitada pelos técnicos que trabalhavam no local.

– Adotamos medida de segurança para garantir o controle de sinais eletrônicos – acrescentou Bueno.

No encontro, realizado na Comissão de Defesa e Ciência e Tecnologia, Viegas e Amaral afirmaram que nenhuma hipótese pode ser descartada durante as investigações sobre o acidente com o VLS, mas dificilmente o foguete brasileiro foi alvo de sabotagens.

A sessão foi acompanhada pelo piloto Luiz Cláudio Almeida, irmão do cinegrafista José Eduardo Almeida, um dos 21 mortos em Alcântara.
 
O piloto foi representar os familiares e voltou a pedir que o Brasil continue com seu programa especial. Além disso, Almeida anunciou a criação de uma associação dos familiares de vítimas do VLS, que terão uma reunião com Viegas em São José dos Campos na próxima quinta-feira.