Negociação entre Coréias do Sul e do Norte avançam lentamente

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de abril de 2003 as 13:34, por: cdb

As negociações entre a Coréia do Sul e a Coréia do Norte aparentam estar avançando pouco, e continua a incerteza em relação ao alegado programa de armas nucleares da Coréia do Norte.

Os norte-coreanos não esclareceram se já têm armas nucleares, segundo delegados da Coréia do Sul. Os Estados Unidos disseram que a Coréia do Norte tinha admitido a existência desse programa em reunião na semana passada.

Em entrevista à BBC, o diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohammed El Baradei, reiterou seu receio de que a Coréia do Norte tem capacidade de produzir armas nucleares e pode já possuí-las.

El Baradei disse que a comunidade internacional precisava mandar uma mensagem consistente de que armas nucleares não seriam toleradas. Ele defendeu ainda a volta à Coréia do Norte dos inspetores de armas nucleares, expulsos em dezembro.

Segundo a correspondente da BBC em Seul, é improvável que as negociações entre as duas Coréias avancem muito.

As tentativas da Coréia do Sul de discutir com seu vizinho do norte a crise nuclear, que já dura seis meses, vêm sendo obstruídas por Pyongyang, de acordo com a correspondente.

A Coréia do Norte vem insistindo que só vai resolver o impasse nuclear em conversas diretas com Washington.

Na semana passada em Pequim, aconteceu a primeira reunião de representantes dos Estados Unidos e da Coréia do Norte, desde a crise mais recente, quando Washington acusou Pyongyang de ter um programa nuclear secreto.

Durante as conversas em Pequim, a Coréia do Norte disse que estava preparada para oferecer uma “proposta nova e ousada” aos EUA.

Relatos divulgados pela mídia sul-coreana nesta segunda-feira dizem que Pyongyang ofereceu acabar com seu programa de armas nucleares em troca de um pacote de compensações políticas e econômicas de Washington.

Segundo jornais de Seul, a nova proposta sugere que Pyongyang e Washington ajam simultaneamente – os EUA implementariam um plano de quatro pontos, inclusive a normalização das relações do país com a Coréia do Norte, enquanto o governo norte-coreano começaria a se desfazer de seu programa nuclear.

As negociações entre as duas Coréias, que começaram no domingo, estão previstas para acabar na terça-feira.

O presidente da Coréia do Sul, Roh Moo-hyun, prometeu continuar a política de inclusão da Coréia do Norte que seu antecessor, Kim Dae-jung, adotou, mas uma autoridade do governo esclareceu que isso não seria feito a qualquer preço.

“Não vamos evitar propositadamente temas que precisam ser levantados só para manter abertos os canais de comunicação”, disse uma das autoridades que participa das negociações.

Seul tem enfatizado a necessidade de continuar o diálogo com Pyongyang e negado que as sanções sejam necessárias, mas já disse que nunca aceitará que seu vizinho tenha armas nucleares.