Nasa espera retomar vôos de espaçonaves em um ano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 23 de abril de 2003 as 19:53, por: cdb

Os vôos das naves espaciais dos Estados Unidos podem ser retomados no prazo de um ano, disse nesta quarta-feira, um responsável da Administração Nacional para a Aeronáutica e o Espaço (Nasa), embora tenha evitado determinar uma data específica.

O diretor adjunto da Nasa para naves espaciais, Michael Kostelnik, disse que “é possível” retomar os vôos em um ano.

“Se será provável ou não? Teremos que esperar e ver”, afirmou de forma muito cautelosa.

Os vôos das naves foram suspensos depois do desastre do Columbia e da morte de seus sete astronautas, em 1 de fevereiro deste ano.

O responsável da Nasa comentou que se fosse possível retomar o lançamento das naves no período entre janeiro e março de 2004, também seria possível “tirar a sobrecarga” dos veículos russos, que a Agência Espacial Européia pretende lançar em setembro desse ano.

A suspensão dos vôos das naves americanas faz com que a Estação Espacial Internacional dependa, por enquanto, dos veículos russos para a troca de tripulações e o envio de mantimentos e materiais.

Kostelnik deu as informações em uma entrevista coletiva na qual o diretor do programa de naves espaciais dos Estados Unidos, Ron Dittemore, anunciou formalmente sua demissão, embora tenha garantido que ela não está relacionada com a catástrofe do Columbia.

Dittemore, que trabalhava há 26 anos na Nasa, disse que deixará a agência espacial após o fim das investigações sobre as causas da explosão do Columbia, e que havia tomado sua decisão antes dessa tragédia.

– Minha decisão de deixar o programa de naves espaciais foi bastante difícil, mas comecei a estudá-la muito antes do acidente com o Columbia -, afirmou Dittemore, que dirigiu o programa durante quatro anos.

O diretor acrescentou que começou a pensar em deixar a Nasa em meados do ano passado, mas que teve de suspender seus planos depois da perda do Columbia e a morte de seus sete tripulantes, quando a nave realizava seu reingreso na atmosfera depois de uma missão científica de 16 dias.

Após essa catástrofe “todos os planos pessoais tiveram que esperar”, observou Dittemore.

Ele também disse que espera “uma transição mais fluente possível” dentro dos esforços da Nasa para retomar os vôos das naves espaciais.

No mesmo dia da tragédia do Columbia, Dittemore se transformou no rosto mais visível da agência espacial americana. Ele deu uma série de entrevistas coletivas que ajudaram os EUA e o resto do mundo a entender os meandros técnicos das naves espaciais.

Além disso, Dittemore não titubeou em dizer que a responsabilidade final era sua, tendo em vista que era ele o responsável do programa.

Kostelnik elogiou o trabalho de Dittemore, que colocou como “a voz” da agência nos dias difíceis após a perda do Columbia.

A agência espacial americana já procura substitutos para Dittemore, embora Kostelnik não tenha mencionado nenhum nome nesta quarta-feira.