Na cobertura política, mídia procura blindar Alckmin

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 1 de dezembro de 2012 as 13:06, por: cdb

Enquanto a mídia usa e abusa no noticiário dos fatos relacionado com a operação Porto Seguro desencadeada pela Polícia Federal, desvia a atenção da opinião pública para a mais grave questão do momento, que é a situação de insegurança pública em que vive São Paulo, o maior e mais rico Estado do país, governado há 20 anos pelos tucanos.

Na Operação Porto Seguro vazam tudo e a imprensa dá o maior destaque possível. Exatamente o oposto do que ela fez na Operação Vegas e na Operação Monte Carlo. Esta última, apesar de  resultar na prisão de Carlos Cachoeira, nas denúncias contra o governador tucano de Goiás Marconi Perillo (PSDB) e na cassação do senador Demóstenes Torres (DEM-GO, depois sem partido), jamais resultou em cobrança da mídia a estes líderes, dirigentes e partidos pelo que fizeram.

Mas, enquanto adota os dois pesos e duas medidas em relação a operações policiais, a mídia desvia a atenção da falência da política de segurança pública do governo Alckmin, uma administração incapaz de enfrentar os problemas que a atuação do Primeiro Comando da Capital (PCC) trouxe ao Estado.

Cortina de fumaça

Problemas, registre-se, agravados pela desorganização da cúpula da segurança pública no Estado, por sua recusa em aceitar a colaboração do governo federal (oferecida durante seis meses), bem sucedida no Rio de Janeiro e em outros Estados.

A leniência com que a questão foi tratada resultou no quadro que está aí: no uso e abuso de represálias, na execução de membros do PCC, de suspeitos e familiares de todos os lados envolvidos na questão, e dos próprios policiais, sem que haja uma investigação sobre quem deu a ordem para a PM matar, assassinar, impor, enfim, a pena de morte em São Paulo.

Impuseram-na como se ela resolvesse a questão que interessa ao povo e a sociedade, que é o fim da atuação e da presença dessa organização criminosa, o PCC e esquadrões da morte que estão de volta. Permitir que isso ocorra não resolve a questão da violência.

Pelo contrário, só a fortalece, só a agrava, como demonstra a experiência  mundial e mesmo no nosso Estado. Basta lembrar o episódio conhecido como os Crimes de Maio, quando em 2006 o PCC desafiou, enfrentou e derrotou o governo paulista.