Mutirão faz 57 cirurgias mamárias

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 12 de março de 2012 as 16:13, por: cdb

Pacientes atendidas durante mutirão de reconstrução mamária já receberam alta. Nesta semana, mais três mulheres serão operadas

Evelin Campos, da Agência Brasília

O mutirão de cirurgias de reconstrução mamária no Distrito Federal, realizado entre os dias 5 e 9 de março, foi bem sucedido ao concluir as 54 operações agendadas para o período. Todas as pacientes haviam retirado a mama há mais de seis meses em decorrência do câncer.
 
Promovido pela Secretaria de Saúde do DF em parceria com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o mutirão faz parte das ações do Março Mundo Mulher. Durante todo o mês, o Governo do Distrito Federal realiza uma intensa programação para fortalecer as políticas voltadas para as mulheres.
 
O mutirão, realizado pela terceira vez na capital, reduziu praticamente pela metade a fila de espera pela operação, que era de 120 mulheres. “Em janeiro de 2011, havia 300 mulheres precisando da cirurgia de reconstrução mamária. Reduzimos esse número para 120 e a expectativa agora é chegar ao final de 2012 sem nenhuma paciente na fila. Demonstrando o compromisso deste governo, estamos autorizando a realização do procedimento de forma imediata, o que significa um grande avanço”, ressaltou o secretário da Saúde em exercício, Elias Fernando Miziara.
 
Outras três mulheres que passaram por mastectomia (retirada da mama) em decorrência do câncer há pelo menos seis meses serão operadas nesta semana, ainda dentro do cronograma do mutirão, totalizando 57 cirurgias. As pacientes foram remanejadas devido à indisponibilidade de horário no prazo oficial da ação.
 
Dentre as 54 operações realizadas na semana passada, 28 foram feitas no Hospital Regional da Asa Sul (Hras) e 26, no Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Cerca de 40 cirurgiões da SES e da SBCP participaram diretamente das cirurgias, que contaram com pelo menos 100 profissionais da saúde, entre anestesistas e enfermeiros. O mutirão, que também possui função educativa, foi auxiliado por 15 cirurgiões residentes.
 
Todas as mulheres já receberam alta médica e cumprem as recomendações em casa. Segundo o coordenador de Cirurgia Plástica da Secretaria de Saúde do DF, Marcelo Gêa, as cirurgias ocorreram dentro do previsto. “Nesta semana, as pacientes vão fazer acompanhamento pós-operatório e revisão com os mesmos cirurgiões que fizeram a cirurgia delas”, disse o coordenador.
 
Próximo passo – A reconstrução mamária tardia envolve de dois a três procedimentos. Somente após avaliação médica será possível atestar a demanda por novas cirurgias nas pacientes do mutirão. “Cerca de 70% das mulheres operadas deverão precisar de pelo menos mais uma operação. Vamos acompanhar o pós-operatório para detectar a necessidade em cada caso”, destacou Gêa.
 
O segundo tempo do mutirão – para realização da segunda parte da cirurgia de reconstrução – está previsto para ocorrer dentro do prazo mínimo de seis meses, conforme as condições de cada paciente. A meta do GDF é zerar a fila até o final de 2012, com a incorporação da cirurgia de reconstrução mamária ao tratamento do câncer de mama.

Foto: Roberto Barroso