Município e Estado inauguram terceira agência do Banco do Povo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 18 de abril de 2012 as 09:51, por: cdb

Tweet

   Em apenas quatro meses de funcionamento, o Banco do Povo já financiou 331 micros e pequenos empreendedores de Porto Velho, uma média de 82,75 linhas de créditos aprovados por mês. São investimentos que somados totalizam o montante de R$ 1,08 milhão em créditos liberados à população de baixa renda. Esse é o balanço positivo das duas agências do Banco do Povo inauguradas pela prefeitura de Porto Velho e o Governo do Estado. A primeira, que funciona no Centro, começou a atender o público em dezembro. A segunda, na zona Sul, em fevereiro. E o número de financiamentos tendem a dobrar com a inauguração da terceira agência, na Avenida Mamoré, zona Leste. A nova agência foi entregue à população nesta terça-feira, 17.

   Na solenidade, o prefeito Roberto Sobrinho foi representado pelos secretários Agnaldo Nepomuceno (Desenvolvimento Socioeconômico e Turismo), Bóris Alexandre (Planejamento e Gestão), e pelo chefe de Gabinete, Sérgio Pacífico. O secretário de estado, Edson Vicente, da secretaria de Desenvolvimento Econômico e Social (Sedes) representou governador Confúcio Moura no evento, que ainda teve a participação do diretor-presidente do Banco do Povo, Manoel Serra.

   Segundo o secretário Agnaldo Nepomuceno, esse primeiro balanço mostra que o BP está cumprindo com o seu papel de inclusão social, pela geração de renda e trabalho. “Se formos conferir o cadastro desses clientes, vamos perceber que esses empréstimos foram concedidos a quem realmente necessita. São pessoas que não tem acesso a créditos nos bancos convencionais”, disse o secretário.

   Entre as atividades financiadas pelo BP, na zona urbana, estão a de costureira, artesão, churrasquinho, salgadeira, doceira, mercearias, frutarias, lanchonetes, fornecimento de marmitas, pizzaria, pipoqueiros, mini restaurantes, distribuidoras de água mineral, bicicletarias, oficinas de lanternagem/pintura, borracharias, manutenção de ar condicionado, salão de beleza, mototaxistas, vendedores de açaí, entre outras.

   Na zona rural, o financiamento chegou às atividades de piscicultura, apicultura, agricultura, pecuária de leite, suinocultura, avicultura, fábrica de queijo, frutas em conserva, moagem de trigo e arroz, acondicionamento de leite, assim como também produção de mel, suco de laranja, produção de carvão vegetal, produção de embriões de rebanho em geral e cultivo de floresta, destinadas ao corte para comercialização, consumo ou industrialização, etc.

Financiamento
 
   O Banco do Povo atende pessoas físicas e jurídicas, com empréstimos no valor de R$ 300 a R$ 10 mil. A clientela é formada por pessoas que trabalham junto com a família ou sozinhas. Os financiamentos são simplificados. O candidato precisa apresentar os documentos pessoais e um fiador e não pode estar com o crédito comprometido. Os juros variam de 1% a 2% ao mês.

   A instituição empresta dinheiro para capital de giro, fixo ou misto. Embora não possa atender às cooperativas, o BP financia individualmente aos cooperados “O importante é que a gente possa atender a todos os que precisam de nossos financiamentos”, assegura Manoel Serra, diretor-presidente do BP.

   Os atendimentos são feitos nas agências do banco e também em encontros promovidos pela entidade e parceiros. Para se candidatar a um empréstimo, o interessado deve apresentar documentos pessoais (RG, CPF e comprovante de residência – conta de luz, água e telefone); não pode ter restrições nos serviços de proteção ao crédito e precisa de um avalista.

   Na agência, o candidato ao financiamento participa de uma entrevista com agentes da entidade, que analisam as condições de pagamento do empréstimo e a viabilidade econômica do projeto apresentado, que posteriormente é avaliado pelo comitê de crédito, que por sua vez, decide pela liberação ou não do financiamento.

Por: Joel Elias
Fotos: Medeiros