MUNDO ÁRABE – Irmandade Muçulmana

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 20 de junho de 2011 as 21:22, por: cdb

Isaac Bigio*/Especial para BR Press

(Londres, BR Press) – Cada vez mais, a diversas correntes nacionalistas muçulmanas são atores fundamentalistas e fundamentais na nova ordem mundial: os aiatolás do Irã, a Al Qaeda, o Hamas palestino, o Hezbolah libanês, etc. No entanto, o movimento nacionalista islâmico mais antigo, maior e mais influente de todo o mundo árabe é hoje a força política mais  tradicional, organizada e forte da crescente oposição egípcia: a Irmandade Muçulmana (IM).No país árabe mais povoado, os dias de Mubarak, seu ditador durante 30 anos, estão contados. A questão está agora em saber quem o substituirá no poder e que papel terá a IM nesse processo. Apesar de ser considerada ilegal no Egito, a IM conquistou 1/5 do parlamento na eleições de 2005. Hoje, sua força não se compara à dos aiatolás iranianos em 1979, durante a revolução que depôs o Xá (que então controlavam as mobilizações), pois grande parte do protesto social egípcio é liderado por forças seculares e, além disso, existem outros movimentos rivais à IM (seja por serem mais conservadores ou mais radicais).No entanto, a IM pode acabar integrando um futuro governo pós-Mubarak. Este fato preocupa  muito os EUA e Israel, cujo principal inimigo interno é o Hamas palestino, que é um antigo braço da IM na ex -faixa egípcia de Gaza. Osama Bin Laden e Al Qaeda foram influenciados pelas ideias dos Qutb, que foram os mais radicais da IM, mas a Al Qaeda condena o pragmatismo da IM, já que esta formalmente abraça o pacifismo.  Pan-islâmico A IM nasceu no Egito, em 1928, convertendo-se no primeiro e maior movimento sócio-político pan-islâmico moderno. Seu objetivo é uma sociedade teocrática, baseada no Corão. Desenvolveu-se como uma internacional, com ramais em muitos países maometanos, alguns dos quais almejam criar um superEstado islâmico, que vá desde a Indonésia até uma Espanha re-muçulmanizada.Ainda que hoje anseie por uma democracia islâmica pacifista similar à da Democracia Cristã no ocidente, a IM patrocinou ataques a Israel e um levante, em 1982, contra o Baath sírio, que terminou com um massacre contra este e que custou dezenas de milhares de mortos.Durante a ocupação britânica, a IM buscou os nazistas como aliados e um de seus associados (o Mufti, de Jerusalém) recrutou muçulmanos para Hitler e festejou o holocausto. PerseguiçãoDuas décadas após ter sido criada, a IM chegou a ter entre 1 e 2 milhões de membros, mas depois que, em 1948, um de seus membros ter assassinado o primeiro ministro egípcio Pasha, e seis semanas depois ter matado seu chefe e fundador al-Banna, produziu-se a primeira das três grandes perseguições contra a IM (as outras duas seriam em meados dos anos 1950 e dos 1960). Membros da IM foram acusados de tramar contra a vida do presidente egípcio Gamal Abdel Nasser (1918-1970) e, em seguida, de assassinar seu sucessor Anwar El Sadat, em 1981. Durante as seis décadas de duração do atual regime egípcio, a IM vem se mantendo na oposição e preferindo soluções pacíficas e negociadas. A IM é, portanto, um movimento de cunho democrata-liberal. Apóia  ditaduras como as do Sudão e Argélia, mas condena a Al Qaeda. Conservadora Em termos econômicos, tem alguns postulados de esquerda, mas nas questões sociais é conservadora e hostil à igualdade entre os sexos e  credos. Questiona os EUA, mas seu braço jordaniano tem uma boa relação com a Casa Branca, e o ramo iraquiano também é próximo de Washington.  O maior temor dos EUA e de Israel, hoje, é que a IM não apenas chegue ao poder no Egito, mas que se radicalize e que incentive os novos protestos anti-ditatoriais no mundo árabe a adotar uma dinâmica nacionalista. Apesar disto, a estratégia de ambos consiste em buscar uma alternativa a Mubarak que parta do exército ou de civis como Mohamed El Baradei, enquanto pressionam para que a IM siga o caminho pró-ocidente dos nacionalistas islâmicos turcos.(*) Analista de política internacional, Isaac Bigio vive em Londres, onde lecionou na London School of Economics, e também assina coluna no jornal peruano Diario Correo. Fale com ele pelo e-mailou pelo Blog do Leitor. Tradução: Angélica Campos/BR Press.