Mundial de vôlei: Brasil, Itália, Iuguslávia e Rússia são favoritos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 28 de setembro de 2002 as 01:13, por: cdb

Quatro superpotências disputam a partir deste sábado, na Argentina, o título do Campeonato Mundial masculino de vôlei. Brasil, Rússia, Itália e Iugoslávia formam o quarteto que tem monopolizado as principais competições do esporte nos últimos anos.

Nas treze edições da Liga Mundial, os quatro grandes só não conquistaram dois títulos, em 96 e 98. Nos últimos três anos, o domínio se estendeu aos três lugares do pódio. Em 2000, deu Itália, com Rússia em segundo e Brasil em terceiro. No ano passado, inversão nas posições: Brasil, Itália e Rússia formaram o pódio. Neste ano, os russos ficaram no lugar mais alto, com brasileiros e iugoslavos vindo logo a seguir.

Nos Mundiais mais recentes, a seleção da Itália monopolizou as atenções. A Squadra Azzurra venceu as últimas três edições do torneio. Na última decisão, em 98, os italianos bateram a Iugoslávia na final. Nas Olimpíadas de Sydney-2000, os iugoslavos deram o troco e ficaram com o ouro. A prata foi para a Rússia e o bronze, para a Itália.

Com uma alternância tão grande entre os quatro times, apontar apenas um como favorito é impossível.

O capitão brasileiro Nalbert reconhece que as três potências européias serão as maiores pedreiras para impedir que a Seleção Brasileira conquiste o inédito título mundial.

– Serão contra essas seleções que vamos ter que tomar cuidado redobrado para não errar e chegar ao título – analisa Nalbert.

Em um segundo escalão do vôlei atual, Cuba e Holanda foram os únicos penetras a romper a hegemonia dos quatro donos das quadras na última década. A Holanda foi campeã olímpica em Atlanta-96 e no mesmo ano venceu a Liga Mundial, enquanto Cuba venceu a Liga em 98 e a Copa dos Grandes Campeões, no ano passado.

– O título vai ficar com algum país desse quarteto. Mas não podemos esquecer que outras fortes equipes que estarão no Mundial, como a República Tcheca, os Estados Unidos e Cuba, que tem tradição e está com um time renovado – aposta o meio-de-rede Gustavo.

O atacante Dante, jogador mais novo do grupo brasileiro, sonha em ouvir o Hino Nacional no dia 13 de outubro.

– Essas quatro seleções predominam no voleibol e nesse Mundial não será diferente. Só espero que o Brasil fique à frente de todas elas – diz Dante, com o sorriso estampado no rosto.