Mulher de Mandela diz que África deve proteger crianças da Aids

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de outubro de 2009 as 11:20, por: cdb

A esposa de Nelson Mandela, Graça Machel, disse nesta quinta-feira que os líderes africanos deveriam se empenhar mais em proteger crianças da Aids, e que é hora de mudar as prioridades dos gastos públicos.

– Não importa quão pequeno seja o nosso orçamento, precisamos fazer alguma coisa. Não chegaremos lá (à redução do HIV) com líderes africanos que não ficam sensibilizados com pessoas morrendo –, disse ela durante o lançamento da Campanha pelo Fim do HIV/Aids Pediátrico (Cepa, na sigla em inglês).

Cerca de 60% dos portadores do vírus da Aids vivem na África Subsaariana, e nessa região estão também 90% das duas milhões de crianças contaminadas no planeta, uma realidade que Graça Machel disse que deveria impulsionar os líderes africanos a agirem.

– Não estou realmente convencida de que alguns dos orçamentos que temos para a defesa sejam absolutamente necessários –, disse a ex-primeira-dama sul-africana, militante dos direitos das mulheres e das crianças.

– Há uma necessidade de redirecionar recursos da defesa. Para mim, as prioridades são saúde, educação, fornecimento de água e agricultura –, acrescentou.

A Cepa busca trabalhar com governos e organizações comunitárias da África para atenuar os gargalos no fornecimento de medicamentos que impeçam a chamada transmissão vertical da Aids (de mãe para filho).

Seu objetivo é que até 2012 esses medicamentos atendam pelo menos 80 por cento das crianças sob risco, mais do que duplicando o número das que atualmente têm acesso a esse tratamento.

– É hora de dizer: ‘Façamos uma reengenharia dos nossos orçamentos, usemos os poucos recursos que temos de forma mais sábia’ –, disse Graça, que ficou viúva em 1986 do primeiro presidente de Moçambique, Samora Machel, e em 1998 se casou com o então presidente sul-africano, Nelson Mandela.