Mudanças no clima deixam capital paulista vulnerável a epidemias de dengue

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 11 de março de 2010 as 11:26, por: cdb

As mudanças no clima da capital paulista nos últimos anos transformaram a cidade em uma “candidata forte” a ter grandes epidemias de dengue, segundo o diretor do Centro de Referência da Dengue de Campos dos Goytacazes, Luiz José de Souza.

– Acho que São Paulo vai ter epidemias futuras graves, pode não ser neste ano, mas nos próximos, porque em São Paulo houve a mudança de temperatura brusca.

Segundo Souza, quem conhecia São Paulo no passado, “aquele friozinho, aquela chuvinha fininha”, percebe hoje que a cidade passou a ter calor, tempestades uma atrás da outra, com muitos alagamentos.

– Ou seja, tudo o que o mosquito gosta tem na capital –, afirmou..

O professor de saúde pública da Universidade de São Paulo (USP), Gonzalo Vecina, concorda com a avaliação de Souza, mas ressalta que, mesmo assim, a propagação da doença pode ser controlada.

– É possível que o Poder Público controle [a proliferação do mosquito transmissor da dengue], mas, a probabilidade de você ter uma epidemia, se o Poder Público esmorecer ou se a população não levar isso a sério, é muito grande.

Luiz José de Souza destaca a importância de preparar o sistema de saúde para diagnosticar a dengue com rapidez e tratar a doença com eficiência.

– Tem que se organizar na assistência. Fazer o diagnóstico o mais rápido possível, o reconhecimento da doença, para poder fazer o tratamento adequado em tempo hábil.

Nos dois primeiros meses deste ano, foram confirmados 67 casos de dengue na cidade de São Paulo, mais do que o dobro de igual período do ano passado (26). A Secretaria Municipal de Saúde ressalvou que apesar desse número, a infestação ainda é considerada baixa, por ser inferior a 100 casos por 100 mil habitantes. Historicamente, o maior número de casos na capital paulista se registra nos meses de março e abril.

Como a ocorrência da dengue é anual, principalmente nos meses mais quentes, Gonzalo Vecina destaca a importância de que as medidas de prevenção acompanhem essa periodicidade.

– A dengue é que nem limpar casa, todo dia é de limpar casa.

Segundo Vecina, epidemias muito fortes, como as que começam a ocorrer em alguns municípios paulistas, decorrem do descuido das autoridades. Ele explicou que, sempre que a epidemia ocorre e foge do controle, a autoridade pública usou “de maneira inadequada” a sua capacidade de mobilizar as pessoas para que controlassem os locais onde os mosquitos crescem.

Para José Luiz de Souza, os problemas de infraestrutura do país impedem a erradicação completa da doença e atrapalham na prevenção. Ele destacou que a melhor prevenção é o trabalho combater o vetor, embora isso seja muito difícil no país, por problemas de infraestrutura.

– Condições de saneamento básico, condições habitacionais, temos hoje favelização crescente, abastecimento de água inadequado.

Segundo ele, a única solução definitiva para o problema seria uma vacina que combatesse os quatro tipos de vírus existentes.