MPF vê negligência de Vale e BHP por desastre em MG

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 12 de novembro de 2015 as 12:34, por: cdb

Por Redação, com Reuters – de Brasília:

Uma integrante do Ministério Público Federal afirmou nesta quinta-feira que a Vale e a anglo-australiana BHP Billiton, sócias em partes iguais na mineradora Samarco, responsável pelas barragens que se romperam em Minas Gerais na semana passada, foram descuidadas na prevenção do acidente e desinteressadas em relação às vítimas, e podem ser denunciadas civil e criminalmente.

A localidade mais atingida pela enxurrada de lama que escoou das barragens rompidas foi Bento Rodrigues
A localidade mais atingida pela enxurrada de lama que escoou das barragens rompidas foi Bento Rodrigues

– A cada passo da investigação se vê que as duas empresas, a Vale e a BHP, foram totalmente displicentes na prevenção, demonstraram que não tinham qualquer plano de ação para o caso de um desastre e não tinham nenhum sistema de alarme – afirmou a subprocuradora-geral da República Sandra Cureau, na abertura de um seminário que sobre mineração em Brasília, na sede da Procuradoria Geral da República.

Ela disse ainda que as empresas “se limitaram a comunicar a prefeitura de um distrito pequeno”.

A localidade mais atingida pela enxurrada de lama que escoou das barragens rompidas foi Bento Rodrigues, matando ao menos oito pessoas e deixando mais de 20 desaparecidos.

– Houve um desinteresse quase total com relação às vítimas desse desastre, que não foram auxiliadas, não foram avisadas e não estão sendo recebidas – declarou.

Sandra disse que pediu a criação de uma força tarefa federal do Ministério Público para investigar junto com promotores estaduais as causas e responsabilidades pelo incidente.

Em entrevista à agência inglesa de notícias Reuters, ela afirmou que as empresas podem ser denunciadas não somente para reparar danos civis, mas também no âmbito criminal, por negligência.

A presidente Dilma Rousseff cobrou na quarta-feira, em conversa telefônica com os presidentes-executivos da Vale, Murilo Ferreira, e BHP Billiton, Andrew Mackenzie, que as mineradoras arquem com todos os custos de reconstrução das áreas atingidas pelo rompimento das barragens de rejeitos da Samarco Mineração em Mariana.

Na quarta-feira, os dois principais executivos da Vale e BHP estiveram em Mariana e se comprometeram a dar todo o suporte para que a Samarco realize os esforços necessários para reduzir os impactos sentidos pelo desastre.

Como uma ação imediata, a Vale e a BHP se comprometem a apoiar a Samarco a criar um fundo de emergência para trabalhos de reconstrução e para ajudar as famílias e comunidades afetadas. Valores ainda não foram estimados.