MP quer discutir mortandade de peixes na Lagoa Rodrigo de Freitas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 3 de março de 2010 as 10:51, por: cdb

A fim de apurar as causas da mortandade de peixes na Lagoa Rodrigo de Freitas, ocorrida nos dias 26, 27 e 28 de fevereiro, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro marcou para o próximo dia 11 deste mês de março uma reunião com representantes de seu Grupo de Apoio Técnico Especializado (GATE), da Secretaria de Estado do Ambiente, do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), da CEDAE e da Subsecretaria Rioáguas.

A morte de 77 toneladas de peixes em três dias atraiu a atenção da mídia e da sociedade para um problema que parecia já resolvido: a poluição na Lagoa. Setenta e duas horas antes do início da mortandade, o mar do Leblon havia sido inundado por grande quantidade de esgoto, havendo possibilidades de haver ligação entre os dois fatos.

A Promotora Rosani Cunha, titular da 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Meio Ambiente e do Patrimônio Cultural da Capital, ressaltou que o objetivo do encontro é apurar as causas dos danos.

“O MP convocou a reunião com os organismos responsáveis para que eles prestem esclarecimentos sobre o que gerou o problema. Queremos informações sobre a operação das comportas que fazem a renovação das águas da Lagoa, sobre o monitoramento da qualidade das águas, o monitoramento das galerias de águas pluviais e de eventuais ligações clandestinas de esgoto. Queremos ainda esclarecimentos sobre o incidente na praia do Leblon e saber como anda a desobstrução dos canais do Jardim de Alá”, concluiu Rosani Cunha.