Motim de militares no Iêmen paralisa aeroporto da capital

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 7 de abril de 2012 as 08:41, por: cdb

Motim de militares no Iêmen paralisa aeroporto da capital

SANAA, 7 de Abr (Reuters) – Integrantes da Força Aérea do Iêmen fecharam neste sábado o aeroporto da capital, Sanaa, impedindo todos os voos, em protesto pela remoção de seu comandante, um meio-irmão do ex-presidente Ali Abdullah Saleh, segundo informo uma autoridade do setor da aviação.

Veículos militares lotados de soldados dispensavam os passageiros do aeroporto e impediam os aviões de decolar ou aterrissar, disseram testemunhas. A atitude foi um desafio ao presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi, que substituiu Saleh no começo do ano.

Na sexta-feira Hadi destituiu o comandante da Força Aérea, como parte de uma reformulação com o objetivo expurgar aliados de Saleh de postos-chave e reestruturar as Forças Armadas, as quais se dividiram durante o levante contra o regime de Saleh, tendo algumas unidades tomado o partido dos manifestantes.

No começo do ano os manifestantes que exigiam a renúncia do comandante da Força Aérea, general Saleh al-Ahmar, provocaram o fechamento de vários aeroportos. Na sexta-feira Hadi transferiu-o para o cargo de assistente do ministro da Defesa.

O fechamento de aeroportos é uma evidência dos desafios que Hadi enfrenta para reestruturar o Exército do Iêmen, mexendo com os interesses dos aliados de Saleh que estão enraizados na corporação, bem como os do poderoso general Ali Mohsen al-Ahmar, que também teve alguns de seus amigos removidos de cargos na sexta-feira.

O general Ali Mohsen se voltou contra Saleh no começo do ano, assim como uma ala das Forças Armadas, o que resultou em combates abertos esporádicos nas ruas de Sanaa contra tropas legalistas e milícias tribais, fato que deixou o país à beira da guerra civil.

Um comitê encarregado de desmilitarizar a capital estava neste sábado desmantelando alguns postos de controle criados pelas facções que haviam entrado em confronto na parte oeste da cidade. A medida visa à retirada dos grupos tribais armadas e de soldados das ruas da capital até o fim da semana.

Mas as tentativas anteriores de desmilitarização fracassaram.

Hadi enfrenta uma rebelião sectária no norte do Iêmen e um braço da rede al Qaeda concentrado no sul do país, onde também há um movimento separatista que pretende restabelecer um Estado socialista que em 1990 Saleh unificou com o norte.

A agência estatal iemenita de notícias foi alvo de hackers neste sábado, aparentemente simpatizantes dos separatistas do sul. Em vez do noticiário usual havia fotos de líderes sulistas e a antiga bandeira do Estado socialista.

Muitos no sul acusam os nortistas de discriminá-los e usurparem seus recursos.

(Reportagem de Mohammed Ghobari)

Reuters