Moscou vai trabalhar na resolução dos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de fevereiro de 2003 as 14:52, por: cdb

A Rússia está disposta a trabalhar na nova resolução sobre o Iraque que os EUA apresentaram à ONU, mas só se contribuir para o desarmamento do regime de Bagdá sem levar a uma guerra, declarou hoje, quarta-feira, uma fonte oficial russa.

“Estamos prontos para trabalhar nesta resolução, mas partindo da base de que não será um passo para a guerra, mas para novos esforços para desarmar o Iraque, em particular por parte dos inspetores” de armas, disse um alto funcionário do Kremlin, acrescentando que Moscou não concorda com a parte da resolução americana quando ela diz que a solução militar não tem alternativa.

Esta é a primeira vez que a Rússia mostra disposição de aceitar a nova resolução apresentada pelos EUA, Grã-Bretanha e Espanha.

A agência oficial de notícias russa Itar-Tass acrescentou que a mesma fonte considerou “indesejável”, embora não impossível, que algum membro permanente do Conselho de Segurança vete o projeto, em alusão à própria Rússia, França e China, que se declararam contra a guerra.

Um veto mostraria “a divisão da comunidade mundial”, algo que todos querem evitar, explicou.

Ao mesmo tempo, a fonte ressaltou que a Rússia, em princípio, não considera necessária uma nova resolução, pois acha que a 1441 dá suficientes poderes aos inspetores da ONU para inspecionar o desarmamento iraquiano e obriga Bagdá a cooperar com eles.

A Rússia apoiou o memorando alternativo à resolução dos EUA apresentado pela França e pela Alemanha, que propõe o desarmamento pacífico do Iraque através do reforço das inspeções e não autoriza explicitamente o uso da força, que classifica de “último recurso”.

Esta noite, o presidente russo, Vladimir Putin, receberá no Kremlin o chanceler alemão, Gerhard Schroeder, para discutir a crise do Iraque.