Moscou afirma que “mapa de rota” é o melhor caminho para a paz

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de abril de 2003 as 16:41, por: cdb

A iniciativa de paz elaborada pelo Quarteto de Madri, batizada de “mapa de rota”, e que foi recebida nesta quarta-feira, por palestinos e israelenses, é o “melhor caminho” para que ambos os povos resolvam suas diferenças pelo diálogo, disse o Kremlin.

Em um comunicado oficial, o Ministério de Assuntos Exteriores russo aplaudiu a entrega da iniciativa de paz conjunta do Quarteto (formado por Estados Unidos, Rússia, União Européia e ONU) aos primeiros-ministros israelense, Ariel Sharon, e palestino, Abu Mazen.

A iniciativa de paz quer o fim das hostilidades entre israelenses e palestinos e a criação de um Estado palestino em 2005.

O documento prevê uma série de medidas para instaurar a confiança entre as partes, mediante o fim do terrorismo e das provocações por parte dos palestinos, e da retirada do Exército israelense de diversas áreas da Cisjordânia e de Gaza.

O “mapa de rota” é “o melhor caminho para a paz e o ponto de partida para as negociações palestino-israelenses, ao ser o marco para futuros esforços para conseguir essa paz”, diz o comunicado oficial do Kremlin.

A diplomacia russa ressaltou que agora, “para o funcionamento desta iniciativa, é preciso que as partes em conflito demonstrem claramente estar de acordo com os objetivos fixados, coloquem sua vontade política neste esforço e cumpram os compromissos adquiridos”.

A Rússia “acha que, com o objetivo de encerrar o conflito, Israel e Palestina precisam começar negociações de paz, acabar com a violência e o terrorismo, e tentar devolver a normalidade à situação social nos territórios palestinos”.

O Kremlin ressaltou que outros países do Oriente Médio também estão intimados a contribuir para o fim pacífico desse conflito.

A Rússia, acrescenta o comunicado, está convencida de que “o processo de paz porá fim à ocupação que começou em 1967, levará ao estabelecimento de um Estado palestino soberano, independente, amante da paz e democrático”.

Além disso, o ministério russo explicou que esse processo “permitirá estabelecer relações de paz firmes entre Israel e seus vizinhos árabes segundo os princípios da Conferência de Madri, das resoluções 242, 338 e 1397 do Conselho de Segurança da ONU, dos acordos prévios e da iniciativa de paz aprovada pela Liga Árabe, em sua cúpula de Beirute”.