Morro dos Macacos: Ordem de invasão veio de Catanduvas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 19 de outubro de 2009 as 10:28, por: cdb

A ordem para a invasão do Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na Zona Norte da cidade, no último final de semana, saiu do presídio de segurança máxima de Catanduvas, no Paraná. Essa informação foi liberada pela Secretaria de Segurança do Estado do Rio na manhã desta segunda-feira. Segundo informações, o secretário, José Mariano Beltrame, deve passar o dia em reunião com os comandos da Polícia Militar e da Polícia Civil.

De acordo com a Polícia Militar a invasão ao morro, no fim de semana, foi articulada por cabeças do Comando Vermelho (CV). Na noite de domingo a PM encontrou dois corpos no morro São João, também na Zona Norte do Rio.

Ainda nesta segunda, policiais militares apreenderam um rifle ponto 30 que pode ter sido utilizado para derrubar o helicóptero no fim de semana.

A assessoria de imprensa da corporação também informou ainda nesta segunda-feira (19) que a Operação de Grande Cerco nos Morros dos Macacos, Quieto, Matriz e São João – todos na Zona Norte da capital – continua sem previsão de término, com o objetivo de evitar a fuga de criminosos que poderiam estar no interior dessas comunidades.

Além disso, seguem tendo continuidade operações neste momento nos seguintes locais: Macacos (6º BPM); Prazeres (1º BPM); Nova Holanda e Parque União (22º BPM) Jacarezinho (3º BPM, 14º BPM e Companhia de Cães); e, Manguinhos (BOPE).

Cerca de 2 mil homens das polícias Militar e Civil estão no Morro dos Macacos para garantir a segurança da população, depois dos episódios de violência registrados durante a manhã deste sábado.

Dez bandidos e dois policiais militares morreram. Os dois PMs estavam no helicóptero da corporação que caiu e explodiu depois de ser atingido por tiros disparados por bandidos. Dois policiais que também estavam no helicóptero ficaram feridos. Pelo menos três moradores da comunidade também se feriram.

Cabo morto

Morreu nesta segunda-feira o o cabo Iso Gomes Patrício, que estava no helicóptero atingido por traficantes, no último sábado. Iso estava internado no Hospital da Força Aérea, na Ilha do Governador, com queimaduras em 80% do corpo.

Jogos de 2016

A segurança pública não é o principal problema para a realização das Olimpíadas de 2016 na cidade do Rio de Janeiro reiterou o secretário da pasta, José Mariano Beltrame, durante entrevista para dar detalhes sobre as ações tomadas pelo governo em relação ao confronto entre traficantes noi último fim de semana, no Morro dos Macacos, Zona Norte da cidade. Na tentativa de combater a disputa entre facções rivais, um helicóptero da Polícia Militar foi abatido.

– O que digo ao COI [Comitê Olímpico Internacional] e à população é o seguinte: nós temos problemas históricos. Mas temos projetos, propostas. Existem políticas de segurança, de combate e de pacificação, um planejamento para recuperar o efetivo e temos inteligência policial – listou.

– As informações não são negadas e não fazemos promessas pirotécnicas ou efêmeras – destacou.

De acordo com o secretário, o Rio foi escolhido como cidade sede dos jogos porque o COI acreditou na “sinceridade” da proposta da capital.

– Apresentamos dados sistemáticos, [da existência] de milícias [grupos paramilitares], do tráfico e eixos das unidades de Polícia Pacificadora, que são exemplos para o mundo. Acho que acreditaram na gente – acrescentou.