Morre o general Galtieri, ex-presidente militar da Argentina

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 12 de janeiro de 2003 as 14:09, por: cdb

O general argentino Leopoldo Fortunato Galtieri, ex-presidente e um dos líderes da junta militar que governou a Argentina entre 1976 e 1983, morreu neste domingo aos 76 anos de idade depois de uma parada cardíaca.

Galtieri, que fora internado no hospital militar de Buenos Aires no sábado depois do agravamento de um câncer de pâncreas, foi presidente do país de novembro de 1981 a meados de 1982.

O militar já havia sido operado por uma doença no tórax em agosto de 2002. Galtieri cumpria pena de prisão domiciliar desde julho do ano passado pelo desaparecimento de militantes da oposição à junta militar nos anos 80.

O general determinou, durante o seu mandato, em abril de 1982, a ocupação das ilhas Malvinas ou Falklands, detonando uma guerra contra a Grã-Bretanha.

‘Incompetência’

Galtieri foi destituído depois de perder a guerra e condenado a 12 anos de prisão em 1988 por sua “incompetência” durante o conflito nas Malvinas.

No entanto, o militar foi beneficiado pela anistia concedida pelo presidente Carlos Menem em 1990.

No ano passado, entretanto, ele voltou a ser condenado pela Justiça, dessa vez por violação dos direitos humanos na década de 80.

Galtieri também foi um dos protagonistas da chamada “guerra suja” contra a oposição às juntas militares que governaram a Argentina entre 1976 e 1983.

Nesaa época, calcula-se que cerca de 30 mil pessoas tenham desaparecido.

Segundo o diário argentino Clarín, durante os anos mais duros da repressão, Galtieri era o comandante do II Corpo do Exército, sediado em Rosário, na província de Santa Fé, ao norte de Buenos Aires.

No local funcionaria um centro de detenção de presos políticos e uma unidade de espionagem “anti-subversiva”.