Morre dom Lucas Moreira Neves, ex-primaz da Igreja Católica no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 8 de setembro de 2002 as 22:54, por: cdb

O cardeal dom Lucas Moreira Neves, ex-primaz e ex-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), morreu neste domingo, aos 77 anos, no Vaticano.

O cardeal estava no Vaticano há 13 anos e completaria 78 anos no próximo dia 16 de setembro.

O prelado sofria de diabetes e morreu de complicações provocadas pela doença.

Dom Lucas era arcebispo emérito de Salvador e prefeito emérito da Congregação para os Bispos do Brasil no Vaticano.

Nascido Luiz Moreira Neves em São João del Rey, no estado de Minas Gerais, no dia 16 de setembro de 1925, dom Lucas começou seus estudos religiosos no Seminário Menor de Mariana.

Posteriormente, mudou-se para São Paulo, onde prosseguiu nos estudos no Convento Santo Alberto Magno, tomando o hábito dominicano em 6 de março de 1944.

Entre 1945 e 1947, o prelado estudou filosofia em São Paulo e, em 1948, iniciou o estudo de teologia na Escola de Teologia Dominicana em Saint-Maximin-la-Sainte-Baume, na França.

Dom Lucas recebeu a Ordenação presbiterial das mãos de dom Alexandre Gonçalves Amaral, bispo e depois arcebispo de Mariana, em 9 de julho de 1950.

Exerceu o ministério sacerdotal em São Paulo, como Vice-Mestre de Noviços e contemporaneamente Assistente eclesiástico da JEC (Juventude Estudantil Católica Arquidiocesana), em 1952-53.

Entre 1959 e 1965, dom Lucas foi Vice-Assistente Nacional do Movimento Familiar Cristão. Posteriormente, entre agosto de 1966 e agosto de 1967, foi responsável pelo Departamento de Formação Religiosa na CRB Nacional (Conferência dos Religiosos do Brasil).

Eleito bispo titular de Feradi Maior e Auxiliar do Cardeal Agnelo Rossi, arcebispo de São Paulo, em 9 de junho de 1967, recebeu a Ordenação episcopal em 26 de agosto de 1967 em São João del Rei.

Chamado a Roma por Paulo VI, ali exerceu os cargos de Vice-Presidente do Conselho para os Leigos (1974-79) e de Secretário da Congregação para os Bispos e do Colégio dos Cardeais (1979-87).

Na Cúria Romana, foi também consultor do Consilium de Laicis (1971-74); membro do Comitê para a Família (1971-76); membro do Conselho do Sínodo dos Bispos (1976-77); membro da Comissão “Justiça e Paz” (1976-81); consultor da Congregação para a Doutrina da Fé (1978-87); membro da Pontifícia Comissão para a Pastoral da Migração e do Turismo (1980-87); membro da Pontifícia Comissão para a América Latina (1980-87); membro do Comitê para os Congressos Eucarísticos Internacionais (1982).

No dia 1º de janeiro de 1987 o Papa João Paulo II lhe atribuiu a Igreja titular de Vescovio em lugar do título de Feradi Maior.

Foi nomeado, em 9 de julho de 1987, Arcebispo Metropolitano de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil.

Foi criado Cardeal no Consistório do dia 28 de junho de 1988 com o título dos Santos Bonifácio e Aleixo, do qual tomou posse solenemente no dia 9 de outubro do mesmo ano.

Dom Lucas tinha os títulos de Doutor honoris causa em Teologia pela Universidade São Tomás de Aquino de Roma (1986) e pelo College Providence de Rhode Island (EUA); comendador da Ordem de Rio Branco (1986); Grã Cruz da Ordem do Mérito Militar (1988), do Mérito da Aeronáutica (1991) e do Mérito da Marinha (1994); cidadão honorário de Salvador (1988). É membro da Academia Romana de Santo Tomás Aquino e membro da Academia de Letras da Bahia.

Ele foi eleito em 18 de julho de 1996 para a Cadeira número 12 da Academia Brasileira de Letras, na sucessão de Abgar Renault.

O prelado deixa obras que incluem: “Com olhar de pastor”, crônicas (1990); “Vigilante desde a aurora”, crônicas (1991); “Pôr-do-sol em Reritiba”, crônicas (1992); e “O homem descartável e outras crônicas” (1995).