Moreira Franco defende ajuda ao governo do Rio para evitar “mico internacional”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 20 de junho de 2016 as 11:37, por: cdb

Moreira Franco disse que a ajuda ao estado do Rio é necessária para garantir pagamentos

Por Redação, com ABr – de Brasília:

O secretário executivo do Programa de Parcerias e Investimentos do Governo Federal, Moreira Franco, defendeu, nesta segunda-feira, a ajuda financeira ao Rio de Janeiro, ao afirmar que o estado enfrenta uma situação particular por causa da proximidade dos jogos Olímpicos e Paralímpicos.

Moreira Franco
O secretário Moreira Franco lembrou que as Olimpíadas do Rio começa em menos de 30 dias úteis

– Existe uma questão que distingue o Rio de Janeiro dos outros estados -, disse o ministro, que lembrou que a competição começa em menos de 30 dias úteis.

Moreira Franco disse que a ajuda ao estado do Rio é necessária para garantir pagamentos, prestação de serviços e o cumprimento de compromissos dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

– É necessário ajudar os servidores do estado do Rio, a população do estado do Rio de Janeiro, como também não podemos pagar esse mico internacional. [Temos] compromissos assumidos na gestão anterior que não foram cumpridos – disse Moreira, que classificou a situação do estado de terrível.

– Creio que o governo do presidente Michel Temer não vai aceitar que nós brasileiros paguemos esse mico no momento em que a imagem do Brasil está muito ruim”, afirmou. Ele acredita que essas circunstâncias “impõem uma atitude de governo federal – completou.

Dívida dos estados

O presidente de facto da República, Michel Temer, fará, nesta segunda-feira, no Palácio do Planalto, uma reunião com todos os governadores para negociar uma solução para a dívida dos estados. Desde que assumiu o governo, em 12 de maio, após o afastamento da presidenta Dilma Rousseff, Temer já recebeu cinco governadores para tratar do tema.

Essa será a primeira vez que o presidente de facto estará reunido com todos os governadores para discutir o impasse sobre o parcelamento do montante a ser pago pelos estados para a União. No encontro, Temer e governador do Rio, Francisco Dornelles, também tratarão de um eventual socorro federal ao estado.

No início do mês, o Ministério da Fazenda apresentou aos representantes dos estados uma contraproposta que muda o período de carência do pagamento das parcelas da dívida dos estados com a União. Nela, o prazo de carência das prestações cai de 24 meses, (como propuseram os estados), para 18 meses, com descontos escalonados. Na ocasião, contudo, os secretários de Fazenda ficaram insatisfeitos com a proposta da equipe econômica.