Moradores denunciam impactos na saúde e na pesca por siderúrgica da Vale

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 30 de agosto de 2011 as 10:50, por: cdb

(1’21” / 315 Kb) – Moradores e pescadores do bairro de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, protestam contra a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), empreendimento da Vale e da alemã ThyssenKrupp. Eles denunciam os impactos socioambientais do projeto e cobram posicionamento do secretário estadual de Meio Ambiente, Carlos Minc. Os atingidos pela siderúrgica encerraram, nesta terça-feira (30), o acampamento de cinco dias em frente à Secretaria de Estado do Ambiente (SEA).

A siderúrgica entrou em funcionamento no último ano e, desde então, vem causando danos à saúde da população e à pesca artesanal do entorno. Os moradores relatam que as “chuvas de pó de prata”, composta de partículas de ferro e carbono, são constantes na região. Essa poluição provoca sintomas como alergia, manchas na pele, dor de cabeça e sangramento no nariz.

A CSA já foi multada pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e sofreu auto de infração pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF). Ela também é alvo de nove ações civil públicas e um inquérito no Ministério Público Federal (MPF).

Os moradores aguardam a realização de uma audiência pública no bairro e a próxima audiência sobre o caso da Comissão Especial da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, marcada para esta quarta-feira (31). A Comissão apura “possíveis irregularidades” do governo estadual e do Inea na concessão de licenciamento ambiental à CSA.

De São Paulo, da Radioagência NP, Vivian Fernandes.

30/08/11