Mix Brasil começa com Macaulay Culkin nesta quinta-feira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de novembro de 2003 as 11:11, por: cdb
Atualizado em 14/11/16 15:16

O garotinho de Esqueceram de Mim virou gay, personagem histórico da cena clubber nova-iorquina e, por fim, assassino na trama do filme Party Monster, que abre nesta quinta-feira a 11ª edição do Festival Mix Brasil da Diversidade Sexual, em São Paulo.

Macaulay Culkin, 23 anos, interpreta Michael Alig, promoter de festas badaladíssimas dos anos 80 e 90 que se afunda nas drogas e acaba matando seu namorado, o traficante Angel Melendez (interpretado por Wilson Cruz).

Do elenco de Party Monster também participam o astro pop Marilyn Manson, que faz uma ponta no papel da drag-queen Christina, a atriz Chloe Sevigny (Dogville e The Brown Bunny) e o ator Wilmer Valderrama (o Fez do seriado That´70s Show).

O filme, que estreou no Festival de Berlim deste ano e foi destaque do Festival Sundance 2003, teve direção e roteiro de Fenton Bailey e Randy Barbato.

Desta vez, o Mix Brasil terá 154 filmes de 24 países, sendo 111 curtas e 43 longas-metragens (no ano passado foram 36 longas). Os brasileiros participam com 31 curtas.

– Sem dúvida alguma a programação está mais forte do que nos anos anteriores, graças aos apoios e parcerias que conseguimos fazer – disse o idealizador do festival, André Fischer, em entrevista recente.

A parceria feita com o Festival de Cinema Judaico, que começa no dia 17, possibilitou que o filme campeão de bilheteria de 2002 em Israel, Yossi & Jagger, participasse da programação dos dois eventos.

O longa-metragem de Eytan Fox, que será exibido na Hebraica, conta a história de dois soldados israelenses que se apaixonam na fronteira do Líbano.

Cineasta fala de barebacking

Outro filme que deverá ser concorrido é The Gift (O Presente), sobre a polêmica prática do barebacking – pessoas que arriscam a vida fazendo sexo sem camisinha para disseminar ou contrair Aids.

O longa-metragem terá exibição especial no Centro de Tratamento de Aids de Santo Amaro, outra parceira do festival.

Segundo André Fischer, a diretora do filme, Louise Hogarth, estará entre os 20 convidados da mostra e deverá conversar com o público no dia da exibição de The Gift.

Outra personalidade que confirmou presença é a diretora japonesa Sachi Hamano, que apresentará Lily Festival, um longa-metragem sobre sexo na terceira idade.

A retrospectiva do ano será sobre Derek Jarman, “o cineasta gay mais importante do cinema inglês dos últimos anos”, disse Fischer.

Serão dois curtas e sete longas-metragens, entre eles In the Shadow of the Sun, Sebastine, Pirated Tapes, Sloane Square: A Room of One´s Own e Blue.

Pelo quinto ano consecutivo acontecerá a sessão Show do Gongo, no dia 17, com apresentação da atriz Marisa Orth, no qual serão mostrados inúmeros vídeos caseiros de no máximo 5 minutos.

A platéia é convidada a participar, “gongando” os vídeos ruins no meio da exibição. No final, o júri escolhe os melhores entre os que conseguirem ser exibidos até o fim.

O vencedor do Show do Gongo de 2002, Mona da Lotação, uma versão drag do filme A Dama da Lotação, estará no programa competitivo, que contará com 11 curtas brasileiros.

A 11ª edição do festival estará espalhada por 12 locais: Centro Cultural Banco do Brasil, Espaço Unibanco de Cinema, Centro Cultural São Paulo, Cinusp, Cinearte, Hebraica, Centro de Tratamento de Aids de Santo Amaro, Galeria Vermelho e Centros Educacionais Unificados (CEUs) de Aricanduva, Rosa da China, Cidade Dutra e Perus.

O Mix Brasil (www.mixbrasil.org) termina dia 23 em São Paulo e depois segue para Brasília (dia 26) e Rio de Janeiro (9 de dezembro).