Ministros dizem que fraudes não atrapalham PAC

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de maio de 2007 as 16:04, por: cdb

Os ministros da Justiça, Tarso Genro, e de Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia, comentaram sobre a Operação Navalha, da Polícia Federal, que prendeu na manhã de nesta quinta-feira 43 pessoas envolvidas em uma organização criminosa que desviava recursos federais de obras públicas.

Questionado sobre fraudes, ainda não confirmadas oficialmente, em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Tarso respondeu que não conhece tal informação, mas negou que possa atrapalhar o andamento do programa. A PF é subordinada ao Ministério da Justiça.

– Não é preocupante. Estamos muito contentes com a operação. A Polícia Federal vai continuar investigando, operando. Certamente, outras operações virão. Vocês podem estar certos que os efeitos disso são positivos para o Estado brasileiro, que não vai poder mais contabilizar propinas na construção de obras públicas -, disse.

Walfrido garantiu que o PAC não será prejudicado.

– Um prédio de 30 andares não vai deixar de ser construído porque um caminhão de areia foi mal administrado -, afirmou.

Os dois ministros participaram de reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) no Palácio do Planalto.

Entre os presos na operação policial, estão diversas autoridades estaduais e funcionários e intermediários da construtora Gautama, de Salvador. O inquérito corre em segredo de Justiça. O objetivo do grupo era lucrar com a execução de obras públicas, praticando crimes como fraude em licitação, corrupção passiva e ativa, tráfico de influência e lavagem de dinheiro.

De acordo com a PF, a organização criminosa desviou recursos dos Ministérios de Minas e Energia; Planejamento; Integração Nacional; Cidades; e do Departamento Nacional Infra-Estrutura de Transportes (Dnit).

A polícia informou que a empresa baiana operava uma organização criminosa infiltrada no governo federal e em governos estaduais e municipais. Os estados onde os mandados estão sendo cumpridos são Alagoas, Bahia, Goiás, Mato Grosso, Sergipe, Pernambuco, Piauí, Maranhão, São Paulo, além do Distrito Federal.