Ministros da zona do euro aprovam ajuda emergencial aos gregos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 11 de abril de 2010 as 18:26, por: cdb

Os ministros das Finanças da zona do euro aprovaram por unanimidade, neste domingo, um mecanismo de ajuda emergencial de 30 bilhões de euros à Grécia, mas enfatizaram que o país não solicitou que o plano seja ativado agora. Em uma teleconferência, os ministros de 16 nações que compartilham a moeda única apoiaram um plano para Atenas emprestar dos governos da zona do euro e do Fundo Monetário Internacional a taxas muito abaixo das de mercado se os fundos do mercado secar.

A Grécia receberia 30 milhões de euros no primeiro ano de todos os países da zona do euro em empréstimos bilaterais coordenados pela Comissão Europeia e pagos através do Banco Central Europeu.

– Se o mecanismo tiver que ser ativado, não seria uma violação da cláusula de não-resgate (no tratado da União Europeia), já que os empréstimos são retornáveis e não contêm nenhum elemento de subsídio – informou Jean-Claude Juncker, chefe do Eurogroup, em entrevista coletiva em Bruxelas após o encontro ministerial.

O comissário europeu de Assuntos Econômicos e Monetários Olli Rehn disse que os empréstimos da zona do euro terão uma taxa de juro de cerca de 5%, muito abaixo das atuais taxas de mercado de mais de 7%. O tamanho da contribuição do FMI a qualquer pacote não foi revelado, mas seria superior à quantidade da zona do euro. Os países da zona do euro pagariam em proporção à sua participação no capital do BC europeu. As conversas sobre a coordenação com o FMI terão início na segunda-feira, disse Rehn.

O acordo era urgentemente aguardado porque a Grécia deve leiloar débitos de curto prazo na terça-feira. Na semana passada, investidores elevaram os custos de empréstimos gregos por conta dos temores de um possível calote e dúvidas sobre a rede de segurança da União Europeia.

O primeiro-ministro grego, George Papandreou, deixou claro em uma entrevista a um jornal que detalhar o plano de resgate era um último e desesperado esforço para deter a especulação contra seu país.

– Permanece a dúvida sobre se esse mecanismo irá convencer os mercados…Se não os convencer, é um mecanismo que está ali para ser usado – disse ele no domingo ao diário atenense To Vima.

Foi a menção mais explícita que um líder grego fez sobre a possibilidade de solicitar ajuda. Anteriormente, Papandreou e o ministro das Finanças George Papaconstantinou insistiram que a Grécia não estava pedindo e não pediria assistência.

– O objetivo do país é continuar a pedir emprestado aos poucos dos mercados, com condições melhores do que as atuais – disse Papaconstantinou.