Ministro Medina pede afastamento do STJ

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 2 de maio de 2007 as 19:10, por: cdb

A assessoria de imprensa do Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou que o ministro Paulo Medina, investigado pela Polícia Federal (PF) por suposto envolvimento com a máfia dos caça-níqueis, formalizou nesta quarta-feira o pedido de afastamento do cargo.

A assessoria ainda não informou, no entanto, o teor do pedido. Segundo o advogado de Medina, Antônio Carlos de Almeida Castro, no documento, o ministro pediu não só o afastamento, como também a abertura de uma sindicância. Almeida Castro informou que Medina pretende ficar afastado do tribunal até o final das investigações do STJ.
 
Nas investigações da Operação Furacão, da Polícia Federal, o irmão do ministro, o advogado Virgílio Medina, é apontado como negociador na venda de sentenças judiciais favoráveis a empresários do jogo. Uma delas teria sido concedida por Paulo Medina em troca de R$ 1 milhão.

Virgilio Medina está preso no Rio. O advogado dele, Renato Tonini, afirmou que a versão de seu cliente somente será apresentada no interrogatório ao qual ele será submetido na próxima sexta-feira.
 
O ministro do STJ Paulo Medina nega a acusação de ter negociado sentenças judiciais. Ele disse que teve o nome usado indevidamente por pessoas ligadas à exploração de jogos ilegais.