Ministro do Turismo recebeu propina de empreiteira, diz Janot

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 6 de junho de 2016 as 13:15, por: cdb

Henrique Eduardo Alves é terceiro ministro do governo de Temer flagrado em esquemas da Lava Jato em pouco mais de 20 dias de exercício

Por Redação, com Vermelho – de Brasília:

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o ministro do Turismo do gabinete provisório de Michel Temer (PMDB), Henrique Eduardo Alves, atuou para obter recursos desviados da Petrobras em troca de favores para a empreiteira OAS.

Este é terceiro ministro do governo de Temer flagrado em esquemas da Lava Jato em pouco mais de 20 dias de exercício. Seu afastamento é dado como certo nos bastidores. Outro que está na berlinda é Fábio Medina Osório, nomeado para a Advocacia-Geral da União. Segundo o jornalista Jorge Bastos Moreno, colunista de O Globo, ele será demitido nos próximos dias.

Janot
No despacho, Janot aponta que a negociação envolvia o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro

Segundo informações divulgadas pela Folha de S. Paulo, nesta segunda-feira, em despacho ao Supremo Tribunal Federal, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que Alves recebeu recursos de propina desviados da Petrobras em troca de favores para a empreiteira OAS no Congresso.

O dinheiro foi utilizado principalmente para abastecer a campanha do agora ministro ao governo do Rio Grande do Norte em 2014, quando ele acabou derrotado.

No despacho, o procurador aponta que a negociação envolvia o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro. “Houve, inclusive, atuação do próprio Henrique Eduardo Alves para que houvesse essa destinação de recursos, vinculada à contraprestação de serviços que ditos políticos realizavam em benefício da OAS”, disse Janot.

E completa: “Tais montantes (ou, ao menos, parte deles), por outro lado, adviriam do esquema criminoso montado na Petrobras e que é objeto do caso Lava Jato”.

O pedido de inquérito também cita outros nomes de aliados e amigos fiéis de Temer, como o próprio presidente interino, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, e o secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimento, Moreira Franco, seu braço direito no golpe.

Janot cita a doação de R$ 5 milhões que Pinheiro teria feito a Temer e indica que o pagamento tem ligação com a obtenção da concessão do aeroporto de Guarulhos, atualmente com a OAS.

“Léo Pinheiro afirmou que explicaria, pessoalmente, para Eduardo Cunha [sobre a doação], mas que o pagamento dos R$ 5 milhões para Michel Temer estava ligado a Guarulhos”, escreveu Janot.

Confira a descrição das mensagens de celular divulgadas pela Folha que, segundo a procuradoria, mostram Henrique Eduardo Alves e Cunha pedindo doações à OAS:
Confira a descrição das mensagens de celular divulgadas pela Folha que, segundo a procuradoria, mostram Henrique Eduardo Alves e Cunha pedindo doações à OAS:

22.jun.2013

Henrique Eduardo Alves (para Léo Pinheiro): Charles [não identificado] poderia me procurar seg cedo em casa? la marcaria com Pres TC, irmão do Garibaldi. Discutiríamos problema. Se ele puder, 8 e 30!Ok

14.jul.2013

Henrique Eduardo Alves (para Léo Pinheiro): Seg, em BSB, vou pra cima do TCU. Darei notícias!

Segundo a Procuradoria, o ministro diz que procurará o então presidente do Tribunal de Contas do Rio Grande do Norte, Paulo Roberto Chaves Alves, irmão do senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), para resolver demandas da OAS

26.mar.2013

Léo Pinheiro (para Antonio Carlos Mata Pires, sócio da OAS): Henrique Alves me ligou x nossa negociação com o América de Natal.Falo-me do nOde cadeiras: 1650 para 2000 E do valor mensal: 50mil para 100mil. Vc vê com Cadu? Bjs.

Segundo a Procuradoria, Pinheiro relata conversa que teve com Alves sobre negociação de cadeiras com o time de futebol América de Natal

10.out.2014

Eduardo Cunha: Vê Henrique seg turno

Léo Pinheiro: Vou ver

13.out.2014

Eduardo Cunha: Amigo a eleição e semana que vem preciso queveja urgente…

15.out.2014

Eduardo Cunha: Henrique amigo?

Léo Pinheiro: Está muito complicado

Eduardo Cunha: Mas amigo tem de encontrar uma solução senão todo esforço será em vão

16.out.2014

Henrique Eduardo Alves (para Léo Pinheiro): Amigo, como Cunha falou, na expectativa aqui. Abs e Obrigado

17.out.2014

Eduardo Cunha: Amigo qual a saída para Henrique?

Léo Pinheiro: Infelizmente não tenho

21.out.2014

Eduardo Cunha (para Léo Pinheiro): Deixa falar tive com Junior pedi a ele paradoar por vc ao henrique acho que ele fará algo. Tudo bem?

Eduardo Cunha: Preciso que de um reforço ao Junior ao menos 1 dele da. Sua contaprecisava de emergência

23.out.2014

Eduardo Cunha (para Léo Pinheiro): Ok bom tocando com junior qui na pressão ele vai resolver e se entende com vc

Segundo a Procuradoria, “Junior” é Benedicto Barbosa Silva Júnior, ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura

Ciro diz que Temer é testa-de-ferro de Cunha

Em entrevista na noite de sexta-feira Ciro Gomes iniciou a conversa com uma expressão bem atual: “Primeiramente, fora Temer”. O ex-ministro não poupou o presidente provisório e seu partido: “O PMDB é um ajuntamento de grupos estaduais que se caracterizou mais recentemente como uma quadrilha. Tem muita gente boa, gente séria, mas os que tomaram conta do PMDB são uma quadrilha”. Para ele, “Temer é testa-de-ferro de Eduardo Cunha”.

Ciro afirmou que a aliança PT-PMDB resultou em “roubalheira”. O político disse que foi processado por Eduardo Cunha, pois o chamou de “ladrão”, e que foi processado por dano moral por Michel Temer: “Façam uma pesquisa da quantidade de medidas provisórias que ele, Temer, entregou para Cunha relatar”.

– Eu vou pensar mil vezes antes de ser candidato. Eu já fui candidato duas vezes e as coisas pioraram como tal que para um camarada como eu é praticamente inumana – afirmou Ciro sobre sair candidato à Presidência da República.