Ministro chinês é destituído por corrupção

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de outubro de 2003 as 11:34, por: cdb

O ministro chinês de Propriedade e Recursos Naturais, Tiang Fengshan, foi destituído por conceder projetos imobiliários de maneira irregular, informou hoje o diário independente South China Morning Post. “Tian deixou de ser ministro do Conselho de Estado (Executivo). Sun Wensheng, até agora vice-ministro, assumirá a pasta da Propriedade de maneira provisória”, disseram fontes ministeriais.

A queda de Tian, de 63 anos, é a segunda destituição fulminante de um ministro de Estado desde que Hu Jintao chegou ao poder em novembro de 2002. A primeira saída foi do ministro da Saúde, Zhang Wenkang, em abril. Segundo a fonte, Tian está sendo investigado por autorizar a venda ilegal de propriedades sem licença de construção e a licitação de terras não edificáveis de propriedade pública em várias províncias chinesas.

O Tribunal de Contas já localizou várias contas bancárias com cerca de um milhão de dólares, resultado de contratos irregulares entre o Ministério da Propriedade e promotores particulares. Concretamente, no município sudoeste de Chongqing as autoridades fiscais suspenderam um total de 59 dos 176 contratos de construção aprovados nos últimos meses.

Aparentemente, a destituição de Tian foi decidida pelo Conselho de Estado (Executivo) por sugestão do presidente chinês, Hu Jintao. Por enquanto se descarta seu processamento judicial. Tian, nomeado ministro da Propriedade em março de 2000, já se viu salpicado por vários escândalos de corrupção durante seu mandato como governador da província nordeste de Heilongjiang.

Segundo a Constituição chinesa, todas as propriedades edificáveis pertencem ao Estado, razão pela qual os promotores imobiliários têm as mãos livres para conduzir a sua maneira o mercado da propriedade.