Ministra admite que governo não tem condições de proteger ameaçados pela violência no campo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 31 de maio de 2011 as 15:25, por: cdb

Ministra admite que governo não tem condições de proteger ameaçados pela violência no campo

Maria do Rosário prometeu, porém, avaliar os casos mais graves e garantir proteção

Por: Redação da Rede Brasil Atual

Publicado em 31/05/2011, 18:10

Última atualização às 18:09

São Paulo – Em reunião com representates da Comissão Pastoral da Terra (CPT), nesta terça-feira (31), a ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos, afirmou que o governo federal não tem condições de oferecer proteção a todas as pessoas que sofreram ameaças em casos de conflitos agrários.

A CPT apresentou à ministra um documento que lista nomes de 1.855 camponeses que recebem ou receberam ameaças de 2000 a 2011. De acordo com a entidade, 207 pessoas foram ameaçadas mais de uma vez, e destas, 42 foram assassinadas e outras 30 sofreram tentativas de homicídio.

“Seria errôneo e uma ilusão dizer que temos condições para atender a esta lista. Vamos analisar a listagem da CPT e fazer uma avaliação”, afirmou Maria do Rosário.

A ministra destacou que, para proteger e garantir a segurança de cada pessoa, as autoridades precisariam deslocar oito policiais. A ministra, no entanto, prometeu mapear as situações mais graves e urgentes e tomar providência. “A proteção é uma ação para os casos mais extremos. O que o governo não pode deixar de fazer é investigar todas as ameaças”, enfatizou.

Segundo o procurador da República do Pará, Ubiratan Cazzeta, o Brasil não tem estrutura suficiente para oferecer proteção aos ativistas jurados de morte. Cazzeta destaca o fato de os programas de proteção às testemunhas não enquadrarem pessoas que não estejam vinculadas a processos em andamento, como é o caso da maioria dos líderes e ativistas ameaçados nas áreas rurais do país.

Na última semana, quatro líderes camponeses foram assassinados na região Amazônica, o que ocasionou atenção especial do governo federal para a resolução dos casos e medidas foram tomadas para conter a violência no campo. 

Leia também:
Para procurador, Brasil não tem estrutura suficiente para proteger ameaçados de morte em conflitos agráriosGoverno anuncia medidas para evitar mais mortes no campoInsegurança jurídica por causa do novo Código Florestal é pano de fundo de assassinatos no ParáAcusado de assassinar sobrevivente do Massacre de Corumbiara em Rondônia era foragido da JustiçaNo mesmo assentamento onde casal de ambientalistas foi assassinado no Pará, agricultor é encontrado mortoSobrevivente do massacre de Corumbiara vive há 16 anos como “foragido da injustiça”Sobrevivente de Corumbiara é assassinado na Amazônia