Ministério da Saúde promove campanha de vacinação dos povos indígenas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de abril de 2015 as 13:19, por: cdb
Atualizado em 15/04/16 06:13
O Mês de Vacinação da População Indígena (MVPI) integra a Semana de Vacinação nas Américas
O Mês de Vacinação da População Indígena (MVPI) integra a Semana de Vacinação nas Américas

 

Uma força-tarefa envolvendo 2.867 profissionais iniciada no sábado, em todas as regiões do país, tem a missão de imunizar cerca de 120 mil indígenas aldeados de todos os 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs). A ação, organizada anualmente pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), além de ofertar novas vacinas incluídas no Programa Nacional de Imunização, também serve para a atualização da carteira de vacinação da população aldeada. Para isso serão disponibilizadas mais de 183 mil doses de vacina até o dia 25 de maio, fim da campanha.

Para realizar a mobilização em lugares tão distantes dos grandes centros e muitas vezes isolados, o Ministério da Saúde está investindo mais de R$ 3 milhões. O recurso será empregado na logística, transporte e aquisição de insumos. Mais da metade dos profissionais envolvidos na ação, cerca de 1.500 trabalhadores, são agentes indígenas de saúde e de saneamento. Também compõem a equipe médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, cirurgiões dentistas e auxiliares de saúde bucal, que integram as Equipes Multidisciplinares de Saúde Indígena (EMSI).

Com duração de um mês, a campanha de imunização para os povos indígenas ofertará doses de vacinas contra várias doenças, como hepatites A e B, rubéola, coqueluche, sarampo, caxumba, difteria, tétano, poliomielite, febre amarela, tuberculose, influenza, pneumonia e meningite, entre outras.

– A novidade deste ano é universalizar a vacinação em todos os DSEIS. Antes, eram escolhidos  grupos prioritários de aldeias em alguns distritos. Este ano, preparamos nossas equipes nos 34 distritos para que todos, durante este mês, possam intensificar essas ações e ampliar a cobertura vacinal dos povos indígenas brasileiros – informa o secretário de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Antônio Alves.

A ideia é intensificar a imunização da população mais vulnerável, como crianças de até quatro anos, mulheres em idade fértil e idosos, que vivem em áreas de difícil acesso e onde há baixa cobertura vacinal. Os Distritos Sanitários Especiais Indígenas também definirão quais as áreas prioritárias de suas regiões.

O Mês de Vacinação da População Indígena (MVPI) integra a Semana de Vacinação nas Américas, liderada pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) desde 2005, e adotada pelo Ministério da Saúde em conjunto com a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe.

– Este o momento em que nós intensificamos uma atividade que é rotineira em nossos trabalhos com as equipes multidisciplinares de saúde indígena. Periodicamente, as equipes já vão para as aldeias fazer o trabalho de atenção básica à saúde desses povos. Mas como temos muitas áreas remotas e de difícil acesso, decidimos fazer um esforço para concentrar nos 34 distritos, todas as nossas equipes, quase três mil profissionais, que irão observar quais as vacinas que estão em dia e quais precisam ser reforçadas junto a essa população – conclui o secretário.

No ano passado, 153.566 doses de vacinas foram aplicadas em 125.904 indígenas de 1.040 aldeias. Além da imunização, várias atividades paralelas foram realizadas durante a campanha, como avaliação nutricional, atendimento odontológico, testes rápidos de HIV, consultas de pré-natal e exames laboratoriais e clínicos, totalizando mais de 50 mil atendimentos.

Desde a criação da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), em 2010, o Ministério da Saúde tem ampliado o acesso à assistência médica para a melhoria da qualidade de vida de 305 povos indígenas, que congregam 5.150 aldeias e uma população de 688 mil pessoas. O investimento do Ministério da Saúde no acesso à assistência à saúde e melhoria da qualidade de vida dos povos indígenas que vivem em aldeias mais que dobrou nos últimos três anos, passando de R$ 479 milhões, em 2011, para R$ 1,093 bilhão, em 2014.

Outro avanço importante é o aumento da presença de médicos nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI). O Programa Mais Médicos ampliou em 305 o número de profissionais atuando nessas áreas. Com isso, o número de médicos atendendo nos distritos passou de 206 para 511 desde outubro de 2013. Pela primeira vez, todos os 34 distritos indígenas passam a contar com médicos nas equipes multidisciplinares de saúde indígena. A estrutura da Sesai conta com 34 DSEIs, 751 polos bases e 68 Casas de Saúde Indígena.