Ministério da Educação abre espaço para debates

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 4 de maio de 2003 as 15:12, por: cdb

O Ministério da Educação cria, a partir deste mês, um espaço institucional de discussão com a sociedade civil sobre temas educacionais. O primeiro MEC Debate ocorrerá no dia 12 de maio, no auditório do Ministério, às 17h.

“O que devemos fazer pelos jovens” é o assunto da conferência, que terá como palestrantes o jornalista Gilberto Dimenstein, que também coordena o Projeto Aprendiz; Felipe Maia, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE); a socióloga Helena Abramo, uma das principais especialistas em juventude no Brasil, atualmente com diversos trabalhos sobre gangues, e o professor João Batista dos Mares Guia, consultor educacional com vasta experiência em gestão democrática e escola jovem.

Cada debatedor terá quinze minutos para apresentar seu tema. Logo depois, convidados e participantes terão oportunidade de perguntar e responder questões relacionadas ao assunto. A mediação do debate será do ministro da Educação, Cristovam Buarque.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep/MEC), o Brasil é hoje um país com 21.249.557 adolescentes (10.546.314 do sexo feminino e 10.703.243, masculino). A população de jovens de 12 a 18 anos representa 12,5% do total da população brasileira.

No País, 41% deles concluíram o ensino fundamental; 33% dos adolescentes de 15 a 19 anos freqüentam o ensino médio; 2,232 milhões estão fora da escola e 1,9 milhão de jovens de 15 a 24 anos não sabem ler e escrever.

A Voz dos Adolescentes, pesquisa realizada no ano passado com mais de cinco mil adolescentes em todo o Brasil, pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), revelou que 85% dos jovens vêem na família a instituição com maior responsabilidade pela garantia de seus direitos e bem-estar e 76% acham a escola importante para sua vida e futuro profissional, mas 57% acham que as aulas não ajudam a compreender melhor a sociedade em que vivem.

Escolas, universidades e outras instituições poderão aproveitar as informações dos debates, pois tudo será registrado em vídeo e material impresso.