Minas no mar da Arábia atrasa chegada do Sir Galahad

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de março de 2003 as 17:11, por: cdb

A chegada do primeiro navio carregado com umas 500 toneladas de ajuda humanitária para o Iraque sofreu nesta quinta-feira, um novo atraso, desta vez motivado pela descoberta de minas nas águas das imediações do porto de Um Qasar.

O “Sir Galahad”, um navio auxiliar da Marinha Real britânica, carregado com várias centenas de toneladas de alimentos, água, produtos médicos e outros de primeira necessidade, tinha prevista sua chegada ao porto iraquiano de Um Qasar nesta quinta-feira disseram fontes militares britânicas.

Mas nas últimas terça-feira (25) e quarta-feira (26) , outros navios da frota real britânica descobriram algumas minas e optaram antes fazer a limpeza do canal de Chatt Al Basra, que proporciona à cidade do mesmo nome o principal acesso ao Golfo Pérsico.

Durante toda o dia uma unidade militar composta por soldados dos EUA, do Reino Unido e da Austrália varreu a área, com a ajuda de golfinhos treinados na Califórnia na detecção de explosivos, para que o “Sir Galahad” e os dois navios mercantes australianos que o acompanham cheguem seguros ao porto.

As fontes agregaram que esperam que esse navio, com o primeiro carregamento de assistência humanitária da coalizão anglo-americana, chegue na próxima sexta-feira ou no sábado ao porto de Um Qasar, já considerado como seguro pelos responsáveis militares dos EUA e do Reino Unido.

O objetivo é que as tropas britânicas e as americanas distribuam essa ajuda desde o porto de Um Qasar às povoações iraquianas do sul do país, necessitadas principalmente de água.

Meios de imprensa kuwaitianos disseram que engenheiros deste país e americanos já trabalham na construção de uma rede de água para distribuí-la entre as povoações dessa região.

Em Camp David (Maryland, EUA), o primeiro-ministro britânico, Tony Blair – que hoje se reuniu com o presidente George W. Bush para analisar a evolução da disputa contra o Iraque – afirmou que “a entrega do carregamento do Sir Galahad é uma das prioridades da coalizão”.

Depois de doze anos de sanções, 60% dos mais de 22 milhões de habitantes do Iraque dependem do Programa “Petróleo por Alimentos” da ONU, que agora está temporariamente suspenso, e segundo diversos organismos internacionais de ajuda humanitária em algumas áreas do país falta água potável e sua população, sobretudo as crianças, sofrem de desnutrição.

As agências humanitárias internacionais estimam em 1,9 bilhão de dólares o financiamento que países doadores terão que proporcionar para aliviar a situação iraquiana.

O navio britânico carrega nos porões água, açúcar, lentilhas, arroz, ervilhas, leite em pó, azeite vegetal, assim como medicamentos, 2.400 lençois e 8.200 porções de comida para civis deslocados, suficientes para um mês.

No Kuwait, a segunda entrega de assistência pelo Crescente Vermelho também foi suspensa devido às condições inseguras da região para a que se remetia no sul do Iraque e se deixou para amanhã, disse um porta-voz da organização.

Um comboio de sete caminhões, protegidos pelas forças americanas, distribuiu na última quarta-feira (26) a primeira ajuda humanitária na população de Safúan (Um Qasar), perto da fronteira norte do Kuwait.

Durante a distribuição puderam ser vistas cenas de caos entre os beneficiários da ajuda, que se amontoaram entorno dos caminhões, e que, segundo testemunhas, gritavam em árabe a favor de Saddam Hussein.

As mesmas fontes disseram que entre a população que pegava a ajuda kuwaitiana havia militares vestidos de civis que vigiavam a seus compatriotas.

A operação prevista para essa quinta-feira foi cancelada depois que o Iraque lançou contra o norte do Kuwait outro míssil que foi interceptado por um disparo de bateria antiaérea Patriot, confirmou um porta-voz do Ministério kuwaitiano de Defesa.

A explosão provocada ao ser interceptado o foguete se ouviu na cidade do Kuwait, onde as autoridades fizeram soar as sirenes de alarme aéreo durante alguns minutos.

Desde que a segunda