Militares proíbem Chávez de se exilar em Cuba

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 12 de abril de 2002 as 16:07, por: cdb

O Exército da Venezuela negou nesta sexta-feira o pedido do ex-presidente Hugo Chávez para se exilar em Cuba. Segundo o general do Exército Roman Fuemayor, antes de deixar o país, Chávez precisa responder criminalmente pela morte de 11 pessoas que participavam de protestos contra ele nesta quinta-feira, um dia antes de sua renúncia. Chávez encontra-se detido na base militar de Tiuna na capital do país, Caracas.

Maria Gabriela Chávez, filha do ex-presidente e sua ex-ministra da Educação, disse à agência France Presse que seu pai não assinou o ato de renúncia, como foi divulgado pelos militares. “Alguns militares simplesmente o levaram preso”, disse Maria Gabriela à agência.

Cuba
Durante o governo de Chávez, a Venezuela se tornou o principal parceiro comercial de Cuba. O jornal Gramma, do Partido Comunista cubano, atribui a renúncia de Chávez a um golpe “contra-revolucionário” organizado pelas elites “subversivas do país”. A publicação referia-se aos líderes empresariais que, junto com as centrais sindicais, convocaram a paralisação nacional e os protestos que acabaram precipitando a crise institucional no país.

Já porta-vozes da Casa Branca declararam que o próprio Chávez foi responsável pelo processo que causou a sua queda. Ele próprio um militar, Chávez foi eleito em 1998, seis anos depois de ter liderado um golpe de Estado.