Militantes trocam mulheres e crianças presas por comandante na Síria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 6 de abril de 2015 as 09:43, por: cdb
Sequestros com exigências de resgate são comuns na Síria, mas trocas entre lados opostos no conflito são pouco frequentes
Sequestros com exigências de resgate são comuns na Síria, mas trocas entre lados opostos no conflito são pouco frequentes

 

Militantes islâmicos e combatentes leais ao governo da Síria fizeram uma rara troca de prisioneiros, com os insurgentes soltando 25 mulheres e crianças em troca de um de seus comandantes, disse nesta segunda-feira um grupo que monitora o conflito no país.

O Observatório Sírio para Direitos Humanos disse que 10 crianças e 15 mulheres foram sequestradas pelos insurgentes há mais de um ano em cidades xiitas na província de Aleppo, no norte.

O acordo foi feito entre o grupo militante islâmico Jaish al-Mujahideen e a milícia pró-governo, disse o Observatório, e medido por combatentes curdos conhecidos como Unidades de Proteção Popular (YPG).

A mídia estatal síria não mencionou a troca, e autoridades do governo não estavam imediatamente disponíveis para comentar nesta segunda-feira.

– As mulheres e crianças foram sequestradas entre um ano e 18 meses atrás e mantidos por rebeldes diferentes – disse o chefe do Observatório, Rami Abdulrahman, à agência inglesa de notíticias Reuters por telefone. “Eles foram entregues ao Jaish al-Mujahideen para a troca”, completou.

Abdulrahman disse que o comandante era o líder militar do Jaish al-Mujahideen, que foi capturado em agosto.

Sequestros com exigências de resgate são comuns na Síria, mas trocas entre lados opostos no conflito são pouco frequentes. Mais de 220 mil pessoas foram mortas no conflito sírio.

O Observatório disse que as mulheres e crianças eram de Nubl e Zahra, dois vilarejos xiitas tomados por forças anti-governo.

 

Explosão de igreja

Insurgentes do Estado Islâmico explodiram uma igreja de 80 anos no província de Hassaka, no nordeste da Síria, no domingo de Páscoa, informou a agência estatal de notícias Sana.

A agência, que não relatou qualquer vítima, disse que os militantes colocaram explosivos no interior da Igreja da Virgem Maria em Tel Nasri, um vilarejo assírio em uma área onde cristãos e milícias curdas vêm enfrentando o Estado Islâmico.

O Estado Islâmico está no controle do vilarejo, disse a Sana.

O grupo militante, que domina grandes porções de território da Síria e do Iraque, prega uma corrente radicalmente purista do islamismo sunita, que considera hereges muito outros muçulmanos.

Combatentes do grupo já destruíram locais religiosos xiitas e sufistas, além de atacar igrejas.