Militante é morto pela bomba no Paquistão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 1 de fevereiro de 2005 as 10:39, por: cdb

Um militante paquistanês morreu e duas pessoas ficaram feridas nesta terça-feira, quando a bomba transportada por ele explodiu antes da hora na cidade de Quetta, disse a polícia. Aoinda nesta terça-feira, outras quatro pessoas ficaram feridas na detonação de um aparato explosivo perto de um trem.

O homem morto carregava a bomba em sua lambreta quando aconteceu a explosão, disse o chefe de polícia do Baluchistão, Chaudhry Mohammad Yaqoob.

– Ele estava envolvido na instalação de bombas na cidade”, disse o policial, identificando o agressor como sendo Bahar Khan, um membro da tribo bugti.

– Ele mesmo acabou sendo vítima de sua própria bomba – disse ainda.

Segundo a polícia, dois empregados de uma loja próxima ficaram levemente feridos no incidente. Testemunhas viram o corpo de Khan sem a cabeça e envolvido por uma poça de sangue.

Uma outra explosão foi ouvida pouco tempo depois em Quetta, mas a causa dela não pôde ser confirmada. Poucas horas antes, uma bomba plantada por um suposto separatista tribal explodiu em uma linha de trem que leva a Quetta, quebrando as janelas de uma composição que passava pelo local. Dois seguranças e dois empregados da empresa de trens ficaram feridos.

Segundo a polícia, o ataque teria sido obra de militantes do Baluchistão que lutam por mais autonomia. Há décadas, os ativistas resistem ao controle do governo central, mas intensificaram suas ações nas últimas semanas.

No pior dos incidentes recentes, até 15 pessoas morreram no dia 11 de janeiro, quando membros de uma tribo dispararam foguetes contra o principal campo de extração de gás do Paquistão, cortando o suprimento por mais de uma semana. Segundo analistas, a atual onda de instabilidade pode se transformar em uma insurgência de grande escala se o governo não lidar com a situação cuidadosamente.